Cinco coisas que as sauditas ainda não podem fazer

Já podem conduzir, mas as mulheres do reino de Saud ainda vivem com muitas proibições e limitações

O rei Salman e o príncipe Mohammed bin Salman instauraram em 2016 um conjunto de reformas intitulado Visão 2030, que tem como objetivo tornar a economia menos dependente do petróleo e, em simultâneo, modernizar a sociedade.
As mulheres sauditas já podem conduzir. Esta abertura junta-se à possibilidade de ir ao estádio ver futebol ou ao cinema (as cadeias de cinemas são também uma novidade no país), mas igualdade de género continua a ser uma expressão exótica na Arábia Saudita.

O que está vedado ou limitado às mulheres na Arábia Saudita?

Vestuário
As sauditas estão obrigadas a vestir em público abayas (uma espécie de bata que cobre as roupas), complementadas não por força da lei mas dos costumes de hijab (véu que cobre a cabeça) e de niqab (cobre o rosto, com abertura nos olhos).

Viajar, abrir conta bancária ou casar
As mulheres não têm liberdade para tomarem certas decisões sozinhas. Cada mulher tem um guardião (wali) que tem de dar permissão para que possa casar-se, viajar ou abrir uma conta bancária, apesar de hoje já ser possível às sauditas o acesso a algumas profissões sem autorização masculina.

Igualdade perante a lei
Em caso de responder perante as autoridades jurídicas, o testemunho de uma mulher vale metade do que o de um homem.

Custódia dos filhos
As mães só podem ficar com as crianças até aos sete anos, se forem do sexo masculino, ou nove, do sexo feminino, quando se divorciam.

Relacionar-se com homens
Falar com alguém do sexo oposto que não seja do círculo familiar não é tarefa fácil. Em público, restaurantes ou universidades, por exemplo, homens estão de um lado e as famílias de outro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Operação Marquês

Granadeiro chama 5.º mais rico do mundo para o defender

O quinto homem mais rico do mundo, o mexicano Carlos Slim Helú, é uma das 15 testemunhas que Henrique Granadeiro nomeou para serem ouvidas na fase de instrução do processo Marquês. Começa hoje a defesa do antigo líder da Portugal Telecom, que é acusado de ter recebido 24 milhões de euros do GES para beneficiar o grupo em vários negócios.