Cientistas nucleares detidos por tentarem minerar bitcoins

Tentaram utilizar o supercomputador da central nuclear onde foram criadas as primeiras armas nucleares soviéticas

Cientistas da central nuclear de Sarov, no oeste da Rússia, foram detidos depois de terem tentado fabricar bitcoins nas instalações da principal infraestrutura nuclear do país, onde nasceram as primeiras armas nucleares soviéticas.

Os suspeitos terão tentado utilizar um dos mais poderosos supercomputadores russos para criar a criptomoeda, de acordo com vários meios de comunicação que citam a agência Interfax.

"Houve uma tentativa não autorizada de utilização dos computadores para fins privados, incluindo a chamada mineração [de bitcoins]", afirmaram responsáveis da comunicação da central nuclear, citados pela BBC. "De acordo com o que sabemos, foi aberto um processo criminal contra as pessoas em causa", acrescentaram.

Não é suposto o supercomputador em questão estar ligado à Internet, como medida de segurança, e assim que os cientistas tentaram ficar online, o centro de segurança foi alertado.

O caso foi entregue ao FSB, os serviços de segurança federais da Rússia.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).