Chefe do Pentágono faz visita surpresa ao Afeganistão

O chefe do Pentágono iniciou esta segunda-feira uma visita surpresa ao Afeganistão para se encontrar com comandantes norte-americanos e líderes afegãos, quando estão a ser conduzidas negociações de paz com o movimento grupo extremista islâmico Talibã.

O recém-nomeado secretário da Defesa interino, Pat Shanahan, disse que não tem ordens para reduzir a presença das tropas norte-americanas, embora essa matéria esteja no topo da lista de exigências dos talibãs nas negociações exploratórias de paz, indicaram diversos responsáveis envolvidos no processo.

Shanahan disse ser encorajador que o Governo do Presidente Donald Trump esteja a explorar todas as possibilidades para acabar com uma guerra que dura há 17 anos, a mais longa da história norte-americana.

Contudo, o responsável sublinhou que os termos de paz devem ser decididos pelos afegãos. Até agora, os talibãs recusaram-se a negociar com o Presidente afegão, Ashraf Ghani, cuja presidência é considerada ilegítima pelo grupo extremista, um impasse que Washington está a tentar ultrapassar.

"Os afegãos têm que decidir o que é o Afeganistão. Isto não é sobre os EUA, é sobre o Afeganistão", disse Shanahan aos jornalistas.

Na sexta-feira, o enviado especial da Administração norte-americana para as negociações de paz no Afeganistão, Zalmay Khalilzad, disse esperar que seja alcançado, embora as negociações estejam numa fase inicial, um acordo até julho, quando estão agendadas eleições presidenciais naquele país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.