Carteiro não entregou 400 quilos de cartas e guardou-as em casa

Acabou por deixar a profissão e justifica-se com o baixo salário que recebia

Um antigo carteiro italiano está a ser investigado depois de as autoridades terem encontrado cerca de 400 quilos de correspondência na casa deste, em Turim.

O homem de 33 anos, cujo nome não foi revelado, disse à polícia que não entregou cartas durante três anos porque o seu salário era muito baixo. Acabou por deixar a profissão em 2017.

Foi descoberto depois de uma operação de rotina da polícia, que descobriu então 70 cartas um dos bancos do carro. Foi ainda encontrada, explica o Guardian, uma faca de 20 centímetros. Ao achar a situação estranha, a polícia foi a casa do ex-carteiro, onde encontrou 40 caixas de cartas por entregar, que incluíam contas, cartas do banco, e correspondência privada.

"Não me pagavam o suficiente e então despedi-me", terá dito.

Esta não é a primeira vez que situações destas acontecem em Itália. Em janeiro, um homem de 56 anos foi detido, em Vicenza, por ter 500 kg de correspondência por entregar, com alguma a datar de 2010. A pilha de correspondência, uma das maiores alguma vez encontradas pelas autoridades, tinha desde listas telefónicas a panfletos de partidos políticos. Em 2013, um carteiro na Sardenha não entregou 400 quilos de cartas durante um período de quatro anos, o que em Itália dá direito a um ano de prisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.