Carteiro não entregou 400 quilos de cartas e guardou-as em casa

Acabou por deixar a profissão e justifica-se com o baixo salário que recebia

Um antigo carteiro italiano está a ser investigado depois de as autoridades terem encontrado cerca de 400 quilos de correspondência na casa deste, em Turim.

O homem de 33 anos, cujo nome não foi revelado, disse à polícia que não entregou cartas durante três anos porque o seu salário era muito baixo. Acabou por deixar a profissão em 2017.

Foi descoberto depois de uma operação de rotina da polícia, que descobriu então 70 cartas um dos bancos do carro. Foi ainda encontrada, explica o Guardian, uma faca de 20 centímetros. Ao achar a situação estranha, a polícia foi a casa do ex-carteiro, onde encontrou 40 caixas de cartas por entregar, que incluíam contas, cartas do banco, e correspondência privada.

"Não me pagavam o suficiente e então despedi-me", terá dito.

Esta não é a primeira vez que situações destas acontecem em Itália. Em janeiro, um homem de 56 anos foi detido, em Vicenza, por ter 500 kg de correspondência por entregar, com alguma a datar de 2010. A pilha de correspondência, uma das maiores alguma vez encontradas pelas autoridades, tinha desde listas telefónicas a panfletos de partidos políticos. Em 2013, um carteiro na Sardenha não entregou 400 quilos de cartas durante um período de quatro anos, o que em Itália dá direito a um ano de prisão.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...