Viúva do Nobel chinês Liu Xiaobo escreve carta perturbadora

Liu Xia está em prisão domiciliária desde 2010, apesar de nunca ter sido acusada formalmente de nenhum crime. "Estou deitada como um cadáver", escreveu a poetisa

Os familiares e amigos do Nobel da Paz Liu Xiaobo, que morreu em julho, expressaram esta quinta-feira preocupação com o estado de saúde de Liu Xia, a viúva do dissidente chinês, após a divulgação de uma carta cujo conteúdo foi considerado perturbador, noticiou a Lusa.

Numa carta escrita em forma de poema e endereçada à Nobel da Literatura de 2009, a escritora alemã de ascendência romena Herta Müller, a viúva de Liu Xiaobo disse estar "a ficar louca".

"Estou muito sozinha / Não tenho o direito de falar / De falar alto / A minha vida é como uma planta / Estou deitada como um cadáver", escreveu a poetisa chinesa, segundo excertos citados pelas agências internacionais.

A poetisa, de 56 anos, tem estado sob detenção domiciliária desde que o seu marido recebeu o Nobel da Paz em 2010, uma distinção que provocou a irritação das autoridades chinesas. Liu Xia nunca foi acusada formalmente de qualquer crime.

O intelectual e dissidente chinês exilado na Alemanha Liao Yiwu, amigo do casal, publicou uma imagem da carta na rede social Facebook no passado dia 9 de dezembro.

"Ela está a tomar muitos medicamentos para controlar a depressão", afirmou Liao Yiwu, a partir de Berlim, em declarações via telefone à agência noticiosa francesa France-Presse.

Liao Yiwu assegurou que a viúva de Liu Xiaobo enviou o poema "recentemente", mas sem explicar como a poetisa conseguiu ultrapassar as restrições de segurança. Outro amigo do casal, que recusou identificar-se, mas que vive em Pequim, afirmou que não consegue falar com a poetisa desde agosto.

Os Estados Unidos e a União Europeia apelaram ao governo chinês para que libertasse a viúva do dissidente e que autorizasse Liu Xia a deslocar-se ao estrangeiro.

Liu Xiaobo foi o primeiro chinês a ser distinguido com o Nobel da Paz. Morreu a 13 de julho deste, vítima de cancro do fígado. O dissidente tinha 61 anos e cumpria há mais de oito uma pena de 11 anos por "subversão", Foi libertado condicionalmente no final de maio da prisão, dias depois de lhe ter sido diagnosticado o cancro em fase terminal, e transferido para o hospital.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.