Bolsonaro lidera, Ciro e Marina na perseguição

Sondagem Ibope, a primeira já sem Lula, mostra também Alckmin em quarto e Haddad, sucessor do antigo presidente, em quinto

Jair Bolsonaro (PSL) continua a liderar as sondagens em cenário sem a presença de Lula da Silva, cuja candidatura foi indeferida pelo Tribunal Superior Eleitoral nesta semana. O deputado e capitão do exército na reserva, de extrema-direita, soma 22%, mais dois pontos do que na anterior pesquisa. Seguem-no, rigorosamente empatados, Marina Silva (Rede), de centro, que não subiu face à última sondagem do Instituto Ibope, e Ciro Gomes (PDT), de centro-esquerda, com aumento de três pontos nas intenções de voto, ambos na casa dos 12%.

No quarto lugar está Geraldo Alckmin (PSDB), de centro direita, com nove pontos, mais dois do que na pesquisa de 20 de agosto. Em quinto, também com subida de dois pontos e agora com 6%, está Fernando Haddad, de centro-esquerda, o substituto de Lula ainda não oficializado pelo PT.

Em contrapartida, Bolsonaro é também o presidenciável mais rejeitado: 44% dos 2200 ouvidos pelo Ibope não votariam "de forma alguma" no deputado. Os outros principais candidatos têm taxas de rejeição entre os 20% e os 26%, sendo que Haddad passou de 16 para 23 pontos.

O liberal João Amoêdo (Novo) continua a subir, chegando agora a 3%, tantos quantos Álvaro Dias (Podemos), de centro-direita, e mais um do que Henrique Meirelles (MDB), também da mesma área política.

O Instituto de sondagens Ibope divulgou entretanto um comunicado a explicar que, como a pesquisa foi efetuada entre os dias 1 e 3 de setembro, já depois do Tribunal Superior Eleitoral ter vetado Lula, decidiu não incluir o seu nome. Manuela D'Ávila, do PCdoB, eventual candidata a vice-presidente de Haddad, reagiu pelas redes sociais dizendo que "primeiro prenderam o Lula e ele continuou a subir nas sondagens, agora prenderam as sondagens".

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.