Bispos da Catalunha pedem perdão pelos abusos a menores cometidos por religiosos

A declaração surge após a divulgação de novos casos de abusos alegadamente cometidos pelos sacerdotes de Constantí (Tarragona), Arbeca (Lérida) e Vilobí d'Onyar (Girona) e um monge de Montserrat.

Os bispos da Catalunha pediram hoje perdão pelos abusos a menores cometidos por religiosos e comprometem-se a esclarecer todos os factos do passado para eliminar qualquer tipo de tolerância ou ocultação e ajudar as vítimas na sua recuperação. Em comunicado divulgado após a reunião da Conferência Episcopal Tarraconense - que agrupa os bispos de todas as dioceses da Catalunha --, os bispos afirmam sentir "vergonha e dor" pelos abusos cometidos.

Os bispos da Catalunha condenam "categoricamente" o abuso de menores "e a cultura que os encoraja ou justifica", por considerarem que "são um problema sério que afeta toda a sociedade e a Igreja"."Pedimos desculpas às vítimas e solidarizamo-nos com a sua dor, e também com todas as pessoas a quem o conhecimento desses factos escandalizou e abalou a sua confiança na Igreja", destacam os bispos na nota emitida depois de dois dias de reunião da Conferência Episcopal em Tiana, Barcelona.

A declaração surge após a divulgação de novos casos de abusos alegadamente cometidos pelos sacerdotes de Constantí (Tarragona), Arbeca (Lérida) e Vilobí d'Onyar (Girona) e um monge de Montserrat.

Os bispos garantem que se comprometem a colaborar no esclarecimento dos acontecimentos e a encontrar uma maneira de ajudar as vítimas na sua recuperação. Todos os bispos das dioceses catalãs comprometeram-se a agir "com determinação para proteger crianças e adultos vulneráveis, eliminando todos os tipos de tolerância ou ocultação e erradicar das comunidades e de toda a nossa sociedade a cultura do abuso".

Por outro lado, garantem que vão adotar medidas preventivas rigorosas, que possam impedir a sua repetição através da formação daqueles a quem serão confiadas responsabilidades e missões educacionais.

Os bispos também consideram que é justo valorizar "a dedicação generosa de tantos sacerdotes e religiosos e de educadores em escola, a crianças e jovens e suas famílias", e pedem que não haja "sombra". de suspeitas generalizadas ", lembrando o direito de cada pessoa à presunção de inocência".

Os responsáveis das dez dioceses catalãs reiteram o seu "firme compromisso com o cumprimento da legislação vigente, canónica e civil". A este respeito, lembram que o Ministério Público deve estar ciente dos factos que possam constituir uma ofensa à liberdade sexual e exortam as vítimas a relatá-los às autoridades civis.

Na declaração, os bispos dizem ainda que se comprometem a informar a Congregação para a Doutrina da Fé de qualquer caso de abuso comprovado."Estamos atentos ao que o papa Francisco - que se encontrará em breve com os presidentes das conferências episcopais de todo o mundo -, venha a determinar para combater essas ações desonestas e criminosas que afetam o anúncio do Evangelho", acrescentam os prelados.

Os bispos pediram aos sacerdotes que, em todas as celebrações religiosas no início da Quaresma, rezem e jejuem de maneira especial pelas vítimas dos abusos. Os bispos também subscrevem a determinação do papa, que afirma que "o abuso sexual é um pecado horrível, completamente oposto e em contradição com o que Cristo e a Igreja ensinam".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.