Bebé real a caminho? Mãe de Meghan Markle está a ter "lições de avó"

Doria Ragland quer ajudar a filha nos cuidados a ter com o futuro neto.

Meghan Markle, a mulher do príncipe Harry, tem tido destaque pela imprensa internacional, sobretudo devido aos rumores de gravidez, na sequência das escolhas dos seus últimos looks.

Recentemente, o jornal britânico The Daily Star conta que Doria Ragland, a mãe da atriz, está a tirar um curso de ama em Los Angeles, nos EUA.

"A Doria está a ter aulas especializadas em cuidados com os recém-nascidos através da Cradle Company em Pasadena, Los Angeles. Duas das professoras, Brandi e Hannah, estão a treinar Doria em sua casa, a uma hora e meia de distância, para evitar atrair atenções indesejadas", contou uma fonte ligada à mãe da atriz.

É provável que em breve Doria se mude para o Reino Unido, para estar mais próximo da filha.

"A Meghan não quer contratar ninguém estranho quando tiver o primeiro filho. Ter a mãe como ama parece-lhe ser a melhor opção. Ainda mais porque é algo que a Doria sempre quis fazer. Ela já é especialista em ioga pré-natal", afirma a mesma fonte.

"Ela aprendeu tudo, desde consultoria em amamentação e aleitamento, cuidados básicos com o bebé, RCP e primeiros socorros. O curso também cobre o treinamento do sono para mais tarde, desmame e ajuda à nova mãe com a sua recuperação", acrescentou.

Não foi adiantada nenhuma data para a transferência de Doria Ragland para o Reino Unido.

Este será o primeiro filho em comum entre a atriz e príncipe, sexto na linha de sucessão ao trono britânico, desde o enlace do passado dia 19 de maio.

"Apesar de Doria gostar da sua própria vida e liberdade, ela também quer estar aqui para a sua filha e futuro neto. Com a sua nova qualificação e treinamento para acrescentar ao seu papel de avó, ela estará pronta para dar à sua filha uma ajuda prática dentro do Palácio, quando o novo príncipe ou princesa chegar", disse o The Daily Star.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.