Bebé real a caminho? Mãe de Meghan Markle está a ter "lições de avó"

Doria Ragland quer ajudar a filha nos cuidados a ter com o futuro neto.

Meghan Markle, a mulher do príncipe Harry, tem tido destaque pela imprensa internacional, sobretudo devido aos rumores de gravidez, na sequência das escolhas dos seus últimos looks.

Recentemente, o jornal britânico The Daily Star conta que Doria Ragland, a mãe da atriz, está a tirar um curso de ama em Los Angeles, nos EUA.

"A Doria está a ter aulas especializadas em cuidados com os recém-nascidos através da Cradle Company em Pasadena, Los Angeles. Duas das professoras, Brandi e Hannah, estão a treinar Doria em sua casa, a uma hora e meia de distância, para evitar atrair atenções indesejadas", contou uma fonte ligada à mãe da atriz.

É provável que em breve Doria se mude para o Reino Unido, para estar mais próximo da filha.

"A Meghan não quer contratar ninguém estranho quando tiver o primeiro filho. Ter a mãe como ama parece-lhe ser a melhor opção. Ainda mais porque é algo que a Doria sempre quis fazer. Ela já é especialista em ioga pré-natal", afirma a mesma fonte.

"Ela aprendeu tudo, desde consultoria em amamentação e aleitamento, cuidados básicos com o bebé, RCP e primeiros socorros. O curso também cobre o treinamento do sono para mais tarde, desmame e ajuda à nova mãe com a sua recuperação", acrescentou.

Não foi adiantada nenhuma data para a transferência de Doria Ragland para o Reino Unido.

Este será o primeiro filho em comum entre a atriz e príncipe, sexto na linha de sucessão ao trono britânico, desde o enlace do passado dia 19 de maio.

"Apesar de Doria gostar da sua própria vida e liberdade, ela também quer estar aqui para a sua filha e futuro neto. Com a sua nova qualificação e treinamento para acrescentar ao seu papel de avó, ela estará pronta para dar à sua filha uma ajuda prática dentro do Palácio, quando o novo príncipe ou princesa chegar", disse o The Daily Star.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.