Arábia Saudita tem plano para tornar o Qatar numa ilha

Jornais do reino deram notícias de um projeto para a construção de um canal junto à fronteira entre os dois países, que deixaria o Qatar isolado.

O canal irá de Salwa a Khor Al Adeed, terá 60 quilómetros de comprimento, 200 metros de largura e 15 a 20 metros de profundidade. O projeto, que segundo o jornal saudita Sabq ainda aguarda aprovação oficial das autoridades da Arábia Saudita, irá literalmente transformar o Qatar numa ilha. Depois de, com o Bahrain, Emirados Árabes Unidos e Egito, ter isolado o vizinho diplomática e economicamente, Riade estará agora a pensar isolá-lo fisicamente, com a construção deste canal junto à fronteira entre os dois países. O Qatar tem 2,3 milhões de habitantes, num território com 11586 km2.

Na faixa de terra de cerca de um quilómetro que restar entre o canal e a fronteira qatari, os sauditas pretendem criar uma "zona militarizada", que incluirá uma base militar e um cemitério de resíduos nucleares.

Na outra margem, estariam previstos alguns resorts turísticos, com marinas e instalações para a prática de desportos aquáticos.

Os jornais sauditas garantem que a obra seria financiada por investidores da Arábia Saudita e dos Emirados, com as escavações a serem feitas por empresas egípcios com experiência no canal do Suez. Permitiria a passagem de navios com 295 metros de comprimentos e 33 de largura.

O projeto, que o Sabq diz ter um custo de cerca de 750 milhões de dólares e poderia estar pronto em 12 meses, pode não ter ainda sido confirmado oficialmente, mas o facto de vários media sauditas terem pegado na história inicialmente divulgada pelo Sabq sem nenhum desmentido de Riade seria impensável caso fosse falso.

O facto de o projeto incluir resorts turísticos perto de um cemitério de resíduos nucleares e de apostar na passagem dos navios que passam no Golfo Pérsico por uma rota nova faz com que alguns analistas vejam no canal mais uma forma de pressão sobre o Qatar. Nas redes sociais, residentes do Qatar e apoiantes do país têm ridicularizado o projeto.

A 5 de junho, a Arábia Saudita, o Bahrain, os Emirados Árabes Unidos e o Egito cortaram as suas relações diplomáticas e comerciais com o Qatar, acusando aquele país de apoiar grupos extremistas e de financiar o terrorismo. Os quatro comunicaram a Doha uma lista com 13 exigências para retomar as relações, mas o Qatar rejeitou-as. Até agora, os esforços de mediação feitos pelo Koweit não tiveram resultados.

Citado pelo Gulf News, o ministro dos Negócios Estrangeiros dos Emirados, Anwar Gargash, deixou um allerta ao Qatar para reconsiderar a sua posição. O chefe da diplomacia explicou que a eventual construção do canal pelos sauditas é prova de que o Qatar não conseguiu resolver a crise. "Anos de conspiração, a enganar e apunhalar pelas costas não podem ser apagados da noite para o dia. Agora que as opções são claras, chegou a hora de Doha sair do seu estado de confusão e olhar com cuidado para os princípios de uma solução e para as exigências feitas pelos quatro países".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.