Alemanha. Livro perdido na Segunda Guerra Mundial regressa a casa

Obra continha centenas de manuscritos raros e terá sido roubada de uma biblioteca alemã por soldados belgas.

Uma obra com mais de 600 manuscritos raros medievais, com gravuras do início do século XV, mapas históricos e aves ilustradas outrora pertencentes ao célebre ornitólogo e explorador alemão Maximiliano de Wied-Neuwied foi roubado, supostamente por soldados belgas de uma biblioteca alemã, no final da Segunda Guerra Mundial. Mais de sete décadas depois, uma cidadã belga fez a doação desse livro e uma equipa de especialistas reconheceu imediatamente que se tratava do volume perdido. De acordo com o The Guardian, este é um dos maiores regressos culturais perdidos na guerra.

"Precisamos limpar muitas das obras e repará-las e catalogá-las de novo, mas este é um desafio de luxo, porque realmente nunca pensamos ver estes volumes novamente", disse Michael Herkenhoff, curador de manuscritos e livros antigos da Universidade e da Biblioteca Regional de Bonn (ULB). Para o especialista, o reencontro com esta obra foi "uma enorme surpresa".

A belga Tania Grégoire viu pela primeira vez o livro quando este foi oferecido pelo seu próprio pai, amante de literatura e soldado em Bonn durante a Segunda Guerra Mundial. A obra seria depois doada à casa de leilões inglesa Sotheby's e pouco tempo se passou até que especialistas em literatura alemães reconhecessem do que se tratava.

"Havia partes não encadernadas, páginas rasgadas e selos de biblioteca danificados, numa tentativa passada óbvia de ocultar as suas origens"

O assistente de catalogação no departamento de literatura da Sotheby's, Lukas Baumann, recorda que a sua equipa viu "algo de errado" neste livro e foi exatamente isso que chamou a atenção para algo mais. "Havia partes não encadernadas, páginas rasgadas e selos de biblioteca danificados", no que consideraram ser "uma tentativa passada óbvia de ocultar as suas origens". Mas nem todas as pistas tinham sido adulteradas. "Descobrimos marcas de prateleiras e assinaturas da biblioteca que tinham sido removidas e foi assim que conseguimos concluir que eles pertenciam à ULB", conta. E imediatamente contactaram a biblioteca.

Os livros serão agora devolvidos à ULB, num evento que contará com a presença de historiadores e personalidades da cultura. Entretanto, Tania Gregoire recebeu uma recompensa por ter ajudado a desvendar o paradeiro da obra. O curador Michael Herkenhoff elogiou a "abordagem moral para o assunto desde o início" por parte da cidadã, "tendo ficado bastante chocada ao descobrir que os livros tinham sido adquiridos".

Não é comum que materiais desaparecidos retornem a grandes instituições como a biblioteca de Bonn. Mas muitas são os objetos expropriados nesta época histórica, vindos de famílias judias e outros opositores do regime alemão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.