Ahed Tamimi: a palestiniana que enfrenta Israel apenas com os punhos

Tem apenas 16 anos, mas desde os oito que contesta a ocupação israelita. E sonha com um Estado palestiniano.

Há quem lhe chame a Malala da Palestina ou a Joana d"Arc palestiniana. Teve cartazes nas paragens de autocarro em Londres a pedir a sua libertação; um documentário centrado na sua vida foi interdito em Singapura; um tio foi morto a tiro em 2012 por militares israelitas. Aos 11 anos, enfrentou um grupo de soldados que tinham prendido um dos irmãos. Tinha 8 anos quando começou a participar nas manifestações em Nabi Saleh, localidade da Cisjordânia onde vive com a família, contra a construção de colonatos na região. Hoje, vai ser ouvida em tribunal, acusada de agressão agravada a um militar israelita, obstruir a sua ação, perturbação da ordem pública e incitamento à violência.

Chama-se Ahed Nariman Tamimi e tem 16 anos. Se fosse maior de idade, poderia ser condenada até dez anos de prisão, o que não será o caso. Mas para a advogada da palestiniana, Gaby Lasky, é certo que "irão tentar mantê-la presa o mais tempo possível. Não querem uma voz de resistência como a dela cá fora".

As provas da agressão resultam de um vídeo feito pela mãe da palestiniana, em dezembro. A mãe de Tamimi também é acusada de agressão e incitamento à violência por ter publicado nas redes sociais o vídeo da adolescente em que esta, após a agressão, apela a novos ataques contra Israel.

A 15 de dezembro de 2017, Tamimi e a prima Nur, de 20 anos, foram filmadas a ameaçar dois soldados israelitas e agredindo-os depois no rosto. De acordo com o relato dos militares, estes estavam junto da casa de Ahed quando ela os empurrou, ameaçando-os verbalmente. A jovem terá dito aos israelitas ou se afastavam ou ela iria bater-lhes. Na sua versão, quando foi detida no final de dezembro, Tamimi afirmou que agredira os soldados por, pouco antes, os ter visto a disparar uma bala de borracha sobre o primo, que o deixou em coma. O jovem recuperou entretanto. Mas então Ahed e Nur libertaram a sua fúria sobre os militares, empurrando-os, dando-lhes pontapés, batendo-lhes no rosto e atirando-lhes pedras. Aqueles não responderam às agressões das palestinianas, o que motivou alguma polémica em Israel. Mas um porta-voz das forças armadas defendeu o comportamento dos militares, considerando que atuaram de forma "profissional".

Após o ataque, Tamimi é filmada a fazer um apelo à resistência contra Israel, declarando que a "nossa força está nestas pedras" e "todos devem unir-se para libertar a Palestina", criticando seguidamente a decisão de Donald Trump de transferir para Jerusalém a Embaixada dos EUA em Israel. Ahed prossegue, pedindo que se "faça algo", "quer seja um ataque com punhais ou um atentado suicida ou lançar pedras, algo deve ser feito para que nossa mensagem chegue a todos os que querem libertar a Palestina".

Não é a primeira vez que Ahed Tamimi está no centro das atenções. Em maio de 2017, foi acusada de tentar impedir soldados de prenderem um manifestante que lhes atirara pedras. Em junho, elogiou os autores da morte de uma agente das forças de segurança israelitas, Hadas Malka, junto do portão de Damasco, na Cidade Velha de Jerusalém, classificando-os como "heróis". O que lhe valeu uma barragem de críticas em Israel.

Tamimi começou a tornar-se notada em 2012, quando o então primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdogan tomou o pequeno-almoço com ela e a mãe, no final de dezembro, tendo-lhe entregue um prémio pela coragem demonstrada ao enfrentar um soldado israelita que procurava prender o irmão. Tamimi tinha 12 anos. O prémio tem o nome da personagem de um rapaz de 10 anos, Handala, criado pelo caricaturista palestiniano Naji Salim al--Ali, para criticar Israel e os regimes árabes. Al-Ali foi assassinado em Londres em agosto de 1987, num caso ainda não esclarecido, e cuja investigação foi recentemente reaberta. O prémio foi criado por um dos municípios da área metropolitana de Istambul, Basaksehir, e entregue a Tamimi depois de um vídeo dela e de um grupo de outras crianças a gritar contra soldados israelitas se ter tornado viral no YouTube. Falando então a um jornal turco, Tamimi afirmou que era seu sonho formar-se em Direito para ajudar os ativistas palestinianos e contribuir para a criação de um Estado para o seu povo.

Para Bassem Tamimi, o pai da jovem e também ele militante político, aquilo que a filha faz é necessário: "Não há um lugar seguro na Palestina para onde mandarmos as nossas crianças. Temos de ensinar-lhes a serem fortes, vencerem o medo e resistirem." Observando a presente conjuntura regional, pode dizer-se que a luta de Ahed Tamimi só agora está a começar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.