Ahed Tamimi: a palestiniana que enfrenta Israel apenas com os punhos

Tem apenas 16 anos, mas desde os oito que contesta a ocupação israelita. E sonha com um Estado palestiniano.

Há quem lhe chame a Malala da Palestina ou a Joana d"Arc palestiniana. Teve cartazes nas paragens de autocarro em Londres a pedir a sua libertação; um documentário centrado na sua vida foi interdito em Singapura; um tio foi morto a tiro em 2012 por militares israelitas. Aos 11 anos, enfrentou um grupo de soldados que tinham prendido um dos irmãos. Tinha 8 anos quando começou a participar nas manifestações em Nabi Saleh, localidade da Cisjordânia onde vive com a família, contra a construção de colonatos na região. Hoje, vai ser ouvida em tribunal, acusada de agressão agravada a um militar israelita, obstruir a sua ação, perturbação da ordem pública e incitamento à violência.

Chama-se Ahed Nariman Tamimi e tem 16 anos. Se fosse maior de idade, poderia ser condenada até dez anos de prisão, o que não será o caso. Mas para a advogada da palestiniana, Gaby Lasky, é certo que "irão tentar mantê-la presa o mais tempo possível. Não querem uma voz de resistência como a dela cá fora".

As provas da agressão resultam de um vídeo feito pela mãe da palestiniana, em dezembro. A mãe de Tamimi também é acusada de agressão e incitamento à violência por ter publicado nas redes sociais o vídeo da adolescente em que esta, após a agressão, apela a novos ataques contra Israel.

A 15 de dezembro de 2017, Tamimi e a prima Nur, de 20 anos, foram filmadas a ameaçar dois soldados israelitas e agredindo-os depois no rosto. De acordo com o relato dos militares, estes estavam junto da casa de Ahed quando ela os empurrou, ameaçando-os verbalmente. A jovem terá dito aos israelitas ou se afastavam ou ela iria bater-lhes. Na sua versão, quando foi detida no final de dezembro, Tamimi afirmou que agredira os soldados por, pouco antes, os ter visto a disparar uma bala de borracha sobre o primo, que o deixou em coma. O jovem recuperou entretanto. Mas então Ahed e Nur libertaram a sua fúria sobre os militares, empurrando-os, dando-lhes pontapés, batendo-lhes no rosto e atirando-lhes pedras. Aqueles não responderam às agressões das palestinianas, o que motivou alguma polémica em Israel. Mas um porta-voz das forças armadas defendeu o comportamento dos militares, considerando que atuaram de forma "profissional".

Após o ataque, Tamimi é filmada a fazer um apelo à resistência contra Israel, declarando que a "nossa força está nestas pedras" e "todos devem unir-se para libertar a Palestina", criticando seguidamente a decisão de Donald Trump de transferir para Jerusalém a Embaixada dos EUA em Israel. Ahed prossegue, pedindo que se "faça algo", "quer seja um ataque com punhais ou um atentado suicida ou lançar pedras, algo deve ser feito para que nossa mensagem chegue a todos os que querem libertar a Palestina".

Não é a primeira vez que Ahed Tamimi está no centro das atenções. Em maio de 2017, foi acusada de tentar impedir soldados de prenderem um manifestante que lhes atirara pedras. Em junho, elogiou os autores da morte de uma agente das forças de segurança israelitas, Hadas Malka, junto do portão de Damasco, na Cidade Velha de Jerusalém, classificando-os como "heróis". O que lhe valeu uma barragem de críticas em Israel.

Tamimi começou a tornar-se notada em 2012, quando o então primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdogan tomou o pequeno-almoço com ela e a mãe, no final de dezembro, tendo-lhe entregue um prémio pela coragem demonstrada ao enfrentar um soldado israelita que procurava prender o irmão. Tamimi tinha 12 anos. O prémio tem o nome da personagem de um rapaz de 10 anos, Handala, criado pelo caricaturista palestiniano Naji Salim al--Ali, para criticar Israel e os regimes árabes. Al-Ali foi assassinado em Londres em agosto de 1987, num caso ainda não esclarecido, e cuja investigação foi recentemente reaberta. O prémio foi criado por um dos municípios da área metropolitana de Istambul, Basaksehir, e entregue a Tamimi depois de um vídeo dela e de um grupo de outras crianças a gritar contra soldados israelitas se ter tornado viral no YouTube. Falando então a um jornal turco, Tamimi afirmou que era seu sonho formar-se em Direito para ajudar os ativistas palestinianos e contribuir para a criação de um Estado para o seu povo.

Para Bassem Tamimi, o pai da jovem e também ele militante político, aquilo que a filha faz é necessário: "Não há um lugar seguro na Palestina para onde mandarmos as nossas crianças. Temos de ensinar-lhes a serem fortes, vencerem o medo e resistirem." Observando a presente conjuntura regional, pode dizer-se que a luta de Ahed Tamimi só agora está a começar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...