30 portugueses na região afetada pelo sismo em Lombok

Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas diz que serviços consulares identificaram três dezenas de cidadãos nacionais na região afetada pelo sismo de magnitude 7 em Lombok, na Indonésia, mas que não há registo de feridos

As imagens mostram o caos total entre os turistas, nacionais e estrangeiros, que estão a tentar sair da zona afetada pelo sismo de magnitude 7 registado em Lombok, na Indonésia, este domingo. Até ao momento há 98 mortos.

Cerca de 200 turistas "indonésios e estrangeiros" já deixaram as três ilhas de Gili, e "ainda há cerca de 700 pessoas à espera de serem retiradas", disse um porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres, Sutopo Purwo Nugroho, citado pelas agências noticiosas internacionais.

Segundo comunicado da secretaria de Estado das Comunidades, enviado ao DN, "foram identificados pelos serviços consulares três dezenas de cidadãos nacionais na região afetada (ilhas Gili e Lombok) sendo que não houve registo de portugueses feridos".

"As autoridades indonésias estão hoje a proceder à evacuação dos cidadãos das localidades mais afetadas, nomeadamente das ilhas Gili, através de ferry, devendo ser seguidas as recomendações que forem formuladas no local", prossegue o documento da secretaria de Estado liderada por José Luis Carneiro.

"Os serviços consulares portugueses irão continuar a acompanhar a situação. Os pedidos de informação devem ser formulados para o Gabinete de Emergência Consular, sendo que o contacto com os portugueses no local está a ser estabelecido pela secção consular da Embaixada de Portugal em Jacarta", conclui.

O sismo de magnitude 7, com o epicentro a dez mil metros de profundidade, ocorreu uma semana após um outro abalo, também na zona turística de Lombok, que provocou 17 mortos e mais de 300 feridos.

Diversas fotos divulgadas nas redes sociais revelam escombros nas ruas de Lombok provocados pelo sismo que suscitou também cenas de pânico na ilha vizinha de Bali, no aeroporto internacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.