Museu nacional brasileiro estava degradado e sem dinheiro

Um terço das salas fechadas, fios elétricos expostos e ataques de formigas - em maio, o jornal Folha de São Paulo publicou um artigo, que aqui recuperamos, em que alertava para degradação e falta de dinheiro do mais antigo museu brasileiro

Bicentenário Museu Nacional, o mais antigo do país, tem problemas de manutenção

Instituição faz 'crowdfunding' na internet para reabrir sala de dinossauro e espera verba pública para restauro

Sentado atrás de sua mesa, num quarto que já serviu de quarto para D. Pedro I, em frente a uma parede detonada por uma infiltração que vai do teto ao chão, Alexander Kellner, 56, diretor do Museu Nacional, explica por que decidiu instalar seu gabinete ali.

"Essa sala reflete o que o museu é: grandeza, com problemas. Eu a reabri pelo simbolismo, a gente deixa claro que não oculta os problemas, mas temos uma grandeza que ninguém tem, conquistada ao longo de dois séculos."

É nessa dicotomia entre grandiosidade e decadência que o primeiro museu do país, instalado num palácio imperial na Quinta da Boa Vista, zona norte do Rio, chega aos 200 anos, no próximo dia 6.

Criado por D. João VI em 1818, como Museu Real - e em outro local -, o maior museu de história natural e antropológica da América Latina está subordinado desde 1946 à UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Com os seguidos cortes no orçamento da instituição, o Museu Nacional não recebe integralmente, desde 2014, a verba de R$ 520 mil anuais (cerca de 110 mil euros) que financiam a sua manutenção.

Às vésperas do bicentenário, 10 de suas 30 salas de exposição estão fechadas, incluindo algumas das mais populares, como a que guarda um esqueleto de baleia jubarte e a do Maxakalisaurus topai - o dinoprata, primeiro dinossauro de grande porte já montado no Brasil.

Para reabrir a sala, interditada há cinco meses após um ataque de cupins (formigas), o museu armou uma campanha de financiamento coletivo na internet, no ar até 4 de junho (benfeitoria.com/maxakalisaurus), que arrecadou R$ 40 mil até agora (oito mil e quatrocentos euros) - a meta é de R$ 50 mil (10 600 euros).

A reabertura, no entanto, não deve acontecer até a data do aniversário. É apenas um dos muitos projetos pensados para a efeméride que não se concretizarão.

Menos de 1% do acervo - que tem cerca de 20 milhões de objetos - está exposto. Entre os principais itens, o meteorito do Bendegó, o maior já encontrado no país, e a coleção de múmias egípcias, a primeira das Américas.

"O maior acervo é este prédio, um palácio de 200 anos em que morou D. João VI, D. Pedro I, onde foi assinada a Independência", diz Kellner. "A princesa Isabel brincava aqui, no jardim das princesas, que não está aberto ao público porque não tenho condições."

A decadência física do prédio que abriga o museu desde 1892 é visível para os visitantes, que pagam R$ 8 pelo ingresso inteiro (menos de dois euros). Muitas de suas paredes estão descascadas, há fios elétricos expostos e má conservação generalizada.

O anacronismo das exposições, que não usam nenhum recurso tecnológico, também é evidente -e reconhecido pelo diretor.

"Não dá para ser um museu de cem anos atrás. A área expositiva tem de se adaptar, e a nossa está longe do que se espera de um museu de grande qualidade. Hoje tem de ter interatividade ou não alcança público nenhum." Seu modelo, diz, é o Museu de História Natural de Nova Iorque, onde fez doutorado em paleontologia.

O ambiente pouco convidativo ajuda a explicar a queda de público desde 2013, que atingiu seu piso em 2016 (menos de 118 mil visitantes). Naquele ano, a UFRJ ficou sem dinheiro para pagar os terceirizados, o que levou ao fechamento temporário do museu.

"Até hoje as pessoas pensam que ele está fechado", diz seu diretor. O encerramento das atividades do zoológico, vizinho na Quinta da Boa Vista, e a inauguração do Museu do Amanhã completam a explicação para a queda de visitantes.

Contrato com BNDES garantirá R4 21,7 milhões para restauro

A falta de verba para fazer uma celebração à altura dos 200 anos -haverá uma pequena festa no dia do aniversário, além da abertura de uma nova exposição, sobre corais - faz com que a direção do Museu Nacional trate o 6 de junho como o início de um ano de comemorações.

Ao longo dele, espera avançar na reforma de ao menos parte do prédio. Um primeiro passo nesse sentido deve ser dado na própria data do aniversário, quando a instituição celebra com o BNDES um contrato de R$ 21,7 milhões (4,6 milhões de euros) para investir no restauro.

Há outra negociação milionária encaminhada para bancar uma grande exposição e a expectativa de que cinco das principais salas sejam reabertas até 2019.

Como qualquer prédio histórico tombado, o palácio não demanda simples reforma, mas restauro -muito mais custosa e demorada.

Alexander Kellner diz serem necessários R$ 300 milhões (63, 6 milçhões de euros), investidos ao longo de pelo menos uma década, para executar o Plano Diretor do museu.

Ele prevê a transferência da parte administrativa para prédios que seriam construídos em uma área vizinha, do governo federal, deixando o palácio livre para as mostras.

Para conseguir a doação do terreno, o diretor diz que vem tentando audiência com a Presidência da República, mas que não passou "do cara do cafezinho".

O último presidente a visitar o museu foi Juscelino Kubitschek (1956-1961), lembra ele. "O Brasil não sabe da grandeza, da riqueza disso aqui. Se soubesse, não deixaria chegar neste estado."

O DN republica o artigo publicado em maio na Folha de São Paulo no âmbito de um parceria do projeto de lusofonia da Global Media.

Leia mais em www.folha.uol.com.br

Ler mais

Exclusivos