Indígenas pedem renúncia da presidente interina da Bolívia

A presidente interina, Jeanine Áñez, cancelou uma viagem devido a ameaças de morte, denunciou o governo boliviano.

Milhares de indígenas iniciaram na segunda-feira, com marchas e vigílias noturnas, uma estratégia de pressão para forçar a renúncia da presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, que por sua vez denunciou um plano para matá-la.

O governo boliviano anunciou na segunda-feira que Jeanine Áñez cancelara uma viagem a um ato no seu departamento natal de Beni, a 600 quilómetros a nordeste de La Paz devido a ameaças de morte.

"Identificámos um grupo criminoso que queria atentar contra a presidente. Foi difícil convencê-la de que corria risco de magnicídio. Querem interromper este processo de recuperação da democracia", revelou o ministro de governo, Arturo Murillo.

Entretanto, em La Paz milhares participavam em marchas massivas com vigília noturna nas imediações do Palácio Presidencial.

"Áñez, assassina, queremos a tua renúncia"

Os protestos mobilizam agora mais indígenas de diferentes províncias e concentram o lema do protesto na renúncia da presidente, Jeanine Áñez, acusada de dar luz verde à violenta repressão policial.

À medida que a marcha descia a ladeira que circunda a Sede do Governo, o coro aumentava: "Áñez, assassina, queremos a tua renúncia".

"Diziam que Evo Morales era um ditador, mas agora estamos a viver a verdadeira ditadura. A atual presidente emitiu um decreto supremo através do qual autoriza o Exército e a Política a matarem os meus irmãos", denunciava à Lusa a vendedora informal Luz Vega, de 57 anos.

No fim de semana foi noticiado, extra-oficialmente, um decreto que blinda as forças de segurança, autorizando os militares a controlarem a ordem pública, eximindo-os de responsabilidades penais.

A imprensa boliviana é outro dos alvos dos manifestantes, que a acusam de apoiar o novo governo e de ocultar a repressão policial.

Nove camponeses cultivadores de coca foram mortos e 169 ficaram feridos

"Imprensa vendida", gritavam no protesto. "A imprensa boliviana não diz a verdade sobre a quantidade de mortos e as circunstâncias dessas mortes", acusa Luz Vega. "Por favor, expliquem a verdade ao mundo".

Nos últimos dias, registou-se um aumento do número de mortos como consequência de violentos enfrentamentos entre manifestantes pró-Evo Morales e agentes de segurança do Exército e da Polícia.

No pior episódio de violência, nove camponeses cultivadores de coca foram mortos e 169 ficaram feridos quando tentavam entrar em Cochabamba, a 400 quilómetros a sudeste de La Paz, na sexta-feira passada.

Luz Vega só aceitou conversar com a Lusa quando soube que era imprensa estrangeira.

A partir daí, passou a impedir as tentativas de ataques físicos dos indígenas. Os manifestantes vinham para agredir, mas, ao ouvirem a advertência sobre imprensa estrangeira, detinham-se e passavam a conversar.

Bolívia divida

"Queremos a renúncia dessa suposta presidente autoproclamada. Há muitos mortos, tanto em Cochabamba, como em La Paz. Queremos denunciar ao mundo inteiro o que a imprensa boliviana oculta. Vamos continuar com esta estratégia de pressão até ao final", avisava Itamay Uruche, um típico "poncho vermelho" de 57 anos, da província Los Andes, a 50 km de La Paz.

Os camponeses indígenas que protestam contra o atual governo de Jeanine Áñez e a favor do anterior de Evo Morales são conhecidos como "ponchos vermelhos" no caso dos homens e como "cholas" no caso das mulheres, com as típicas saias.

"Eu tenho saia, senhor. Eu defendo a minha raça. Esta presidente está a matar-nos. Com o nosso ex-presidente, essas coisas não aconteciam", compara, entre lágrimas, a "chola" Virginia Choque, de 58 anos.

A advogada constitucionalista Ana Cisneros, de 41 anos, aproximou-se da marcha com cuidado. Ana é o contrário de uma "chola"; é uma "choca", isto é, uma mulher branca. Nesta Bolívia dividida em classes, em raças e em geografia, não demora até Ana receber o primeiro aviso.

"Não queremos 'chocas' nesta marcha", gritava um manifestante.

"Creio que aqui houve um golpe porque a polícia se amotinou e porque o Exército pediu a renúncia a Evo Morales. Vejo que a direita está a tentar voltar e tenho medo porque não lhes importa o povo. No campo, estão a matar os meus irmãos com balas de verdade", advertia Ana.

"Obrigado por se unir ao povo, doutora", dizia agora outro manifestante.

Sem alimentos e combustíveis

Porém, o também advogado, Adrián Valencia, de 30 anos, interrompe a tónica das declarações para pedir que se conte o outro lado dessa moeda.

"Escutei tudo o que disseram, mas agora vou dizer a verdade: não houve golpe nenhum. Houve, sim, uma renúncia devido às manifestações contra a evidente fraude de Evo Morales. Todos aqui sabem da fraude, mas não tocam no assunto", aponta Adrián.

A partir do dia seguinte às eleições de 20 de outubro, os protestos eram contra a fraude e a favor de novas eleições. Perante a negativa de Morales que se proclamava reeleito, os protestos passaram a pedir a sua renúncia.

"Basicamente, há uma tensão entre cidade e campo. Antes de ir embora para o México, Evo Morales cercou as cidades. Por isso, estamos sem alimentos e sem combustíveis", acusa Adrián.

O silêncio consentido dos que o ouvem ao redor termina quando Adrián diz o que todos pensam nas cidades: os protestos são financiados pelo partido de Evo Morales, o Movimento Ao Socialismo (MAS).

'Existe um racismo contra os movimentos sociais, é verdade. Mas a maior parte dessas manifestações são pagas", denuncia, fazendo estourar a ira dos manifestantes.

"Ninguém nos paga. Somos o povo que está a lutar contra essa ditadura. Não somos 'masistas' (em referência ao MAS). Somos o povo", exclama Rubén Quisbet Chipana, de 28 anos, agricultor em El Alto.

"Apelamos à imprensa internacional porque a boliviana virou-nos as costas. Chega de gás lacrimogéneo e de balas. Queremos que a presidente renuncie e que haja novas eleições", anuncia Rubén, justamente quando lançam a primeira bomba de gás.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.