França. Morreu rapaz que ficou paralisado após comer hambúrguer do Lidl contaminado

Ainda não tinha dois anos quando, em 2011, comeu o hambúrguer contaminado com a bactéria E.Coli comprado no Lidl. Nolan Moittie ficou com graves sequelas neurológicas e diabético. Acabou por morrer este sábado. Tinha 10 anos.

Nolan Moittie, de 10 anos, foi uma das 15 crianças que adoeceu depois de ter consumido, em 2011, um hambúrguer de carne de vaca contaminado pela bactéria E. Coli comprado num supermercado Lidl em Hauts-de-France, no norte de França. Ficou com graves sequelas neurológicas, tendo ficado paralisado, sem conseguir falar e diabético. Oito anos depois, o coração de Nolan parou de bater.

Morreu no sábado devido aos "efeitos da intoxicação", disse à AFP a advogada da família, Florence Rault. "Foi uma longa provação porque ele não parou de sofrer por um momento: os seus membros deformaram-se, os ossos estavam fracos, passou por inúmeras cirurgias, já não conseguia comer, engolir, falar ou mover-se, porque deixou de ter coordenação", afirmou a representante da família de Nolan.

De acordo com o jornal Le Parisien, o rapaz foi internado nos cuidados intensivos no fim de semana depois de sofrer uma paragem cardíaca.

O rapaz ficou diabético, era "alimentado por cateter", tinha de ser medicado várias vezes ao dia, foi submetido a várias cirurgias e passou parte da sua vida hospitalizado. "O seu corpo finalmente desistiu" como "consequência de todas estas patologias que pioraram e deterioraram" o seu estado de saúde.

Entre as crianças infetadas pelo consumo do hambúrguer contaminado, Nolan foi o mais afetado. Desenvolveu sequelas neurológicas, ficou com paralisia motora, doença mental, depois de comer a carne de vaca contaminada quando tinha apenas 23 meses.

As outras crianças que consumiram o mesmo produto desenvolveram síndrome hemolítica-urémica (SHU), que é caracterizada por insuficiência renal progressiva. Nolan foi o único a morrer.

Os hambúrgueres contaminados eram fabricados pela SEB, empresa com a qual a cadeia de supermercados quebrou o contrato, ainda em 2011, ano em que as crianças foram intoxicadas com a bactéria E. Coli.

Cadeia de supermercados vai prestar apoio à família

Em fevereiro, um antigo gerente da empresa SEB, fornecedora dos hambúrgueres que estiveram na origem da intoxicação, Guy Lamorlette, agora com 78 anos, foi condenado, em sede de recurso, a três anos de prisão e ao pagamento de uma multa de 50 mil euros. O advogado do ex-responsável pela empresa admitiu a possibilidade de recorrer da sentença.

Com a morte da criança, a advogada da família espera que a defesa de Lamorlette aceite a sentença. Florence Rault disse que "os pais de Nolan esperam que um dia venham a merecer decência e compaixão" e que Lamorlett "assuma, finalmente, as suas responsabilidades".

De acordo com a advogada, os pais de Nolan Moittie estão "desesperados e em miséria extrema", uma vez que tiveram de acumular "muitas dívidas para apoiar" o filho e afora "não têm dinheiro para as despesas do funeral".

Entretanto o Lidl francês fez saber que vai apoiar a família da criança através de uma mensagem na rede social Twitter.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.