Escreveu que o hotel era mau. Agora pode ser preso

Um norte-americano pode ser preso até dois anos de prisão na Tailândia por ter dado más críticas a um hotel no TripAdvisor. Está acusado de difamação.

Esse gesto simples de dar estrelas, notas e fazer um pequeno comentário em sites de avaliação de restaurantes e hotéis pode ter consequências sérias. Foi o que descobriu um americano que trabalha na Tailândia. Acusou o resort de praticar "escravatura dos tempos modernos" e foi processado por difamação, um crime punido com até dois anos prisão no país.

O Sea View Resort considera que as críticas são infundadas e que prejudicam a reputação do hotel, motivos suficientes para processar Wesley Barnes. "O proprietário queixa-se que o arguido divulgou críticas injustas no site TripAdvisor", refere fonte da polícia à AFP.

Difamação por causa de uma garrafa de vinho

As queixas de Wesly Barnes começam com um jantar no resort da ilha de Koh Chang no início deste ano quando quis levar a sua própria garrafa de vinho para a mesa do e se recusou a pagar a taxa de rolha, isto é, o serviço de abrir a garrafa. A discussão com o empregado de mesa só terá terminado com a intervenção do gerente do espaço, detalha a BBC.

Depois do incidente, Wesley Barnes publicou vários posts com críticas negativas, o que levou o hotel a processá-lo por difamação.

Segundo a unidade hoteleira, as críticas de Warren Barnes são "falsas" e difamatórias" e ainda "fabricadas, recorrentes e maliciosas". Num dos seus posts, o norte-americano afirma que o hotel pratica "escravatura dos tempos modernos" - outras das afirmações que levou o hotel a processar o antigo cliente, mas que Barnes garante que nunca chegou a ser publicado por ir contra as orientações da plataforma TripAdvisor, como disse à BBC.

Warren Barnes foi detido pela polícia (passou duas noites na prisão), antes de ser libertado. Da ida a julgamento não se livra, enfrentando uma pena de prisão de até dois anos.

O norte-americano diz que o processo levou a que fosse despedido e a publicidade ao seu redor só tem piorado o caso. Teme não voltar a encontrar trabalho, afirmou, acrescentando estar muito "assustado" com a possibilidade de ser preso, depois do experienciou nos dois dias que passou na prisão. Volta ser ouvido no início de outubro, mas ainda espera chegar a acordo com o hotel.

Pela sua parte, o resort assegura que tentou, sem êxito, contactar Warren Barnes para chegar a acordo antes de processar o cliente, mas que ele só respondeu quando foi notificado pelas autoridades. Dizem ainda que decidiram avançar como forma de dissuadir o cliente de continuar a postar "críticas negativas semanas após semana" que motivaram vários cancelamentos de reservas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG