É mulher, juíza, tem 46 anos e não é militante do PSOE. Mas é a nova presidente do Senado

A escolha foi do primeiro-ministro Pedro Sánchez e será oficializada na terça-feira. Pilar Vilella Llop, formou-se em Direito, tem as suas raízes numa família humilde, assume-se como independente do ponto de vista político, mas próxima do PSOE, e vai substituir Manuel Cruz, do Partido Socialista da Catalunha, no Senado espanhol.

Pilar Llop está na política desde 2015, não é filiada no PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), mas, segundo o jornal El Mundo, terá sonhado muitas vezes em assumir "altas responsabilidades" no PSOE. Há quatro anos, o nome da juíza, de 46 anos, especialista em violência doméstica e de género, contra as mulheres, soou pela primeira vez como sendo a número dois de Sánchez no Congresso, mas não foi.

Depois surgiu ainda como hipótese para integrar o governo como titular de pasta de um dos ministérios, mas também não aconteceu. Agora, chegou à presidência do senado espanhol e a comunicação social diz que a sua nomeação "é uma vitória do movimento feminista".

Pilar Llop nasceu em Madrid a 3 de agosto de 1973 e desde julho que é senadora por designação da Assembleia de Madrid, presidente da Comissão de Defesa no Senado, e deputada na Assembleia de Madrid. Especialista em violência doméstica e de género e em cooperação internacional na administração da justiça deu o salto para a política em 2015.

Começou a nível regional, tornando-se deputada da X legislatura da Assembleia de Madrid, dentro do grupo parlamentar socialista, e só mais tarde passou para a política nacional, ao ser nomeada delegada do Governo para a violência de género, cargo que ocupou até abril deste ano.

Quem a conhece destaca-lhe a sua grande "capacidade para o consenso" e o seu "profissionalismo".

Pilar Vilella Llop tem as suas raízes numa família humilde. O pai foi taxista, depois funcionário da banca e a mãe sempre foi cabeleireira. Ela, cedo, ainda adolescente, escolheu Direito como formação.

Estudou na Universidade Complutense de Madrid, tornou-se especialista em tradução jurídica de inglês-espanhol na Universidade de Alicante.

Como estudante viveu a experiência do programa Erasmus durante o último ano do curso de Direito na Universidade de Viena. Fala fluentemente inglês, alemão, francês e ainda um pouco de italiano e búlgaro.

Em 1999, iniciou funções na magistratura. Foi colocada em diferentes tribunais como juíza de instrução, o que lhe permitiu tomar contacto com a realidade da violência doméstica e de género, contra as mulheres. Em 2004, começa mesmo a assistir voluntariamente a cursos organizados pelo Conselho Geral do Poder Judicial sobre este tipo de violência.

Em 2009, torna-se mesmo uma das juízas especialistas em violência contra as mulheres. De 2011 a 2015 assumiu a chefia do Observatório sobre a Violência Doméstica e de Género e da Comissão para a Igualdade. O seu último destino como juíza, antes de entrar na política, foi o Tribunal de Madrid e num juízo destinado à violência doméstica e de género.

Agora, confirmando-se a sua eleição na terça-feira, será a segunda mulher a presidir ao Senado espanhol, depois de Esperanza Aguirre, que liderou entre 1999 e 2002.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...