Donos de cães na Alemanha serão obrigados por lei a passeá-los duas vezes por dia

Ministra vai apresentar lei no próximo ano para garantir que 9,4 milhões de cães se exercitem o suficiente

Em breve, os donos de cães da Alemanha serão obrigados por lei a passear os seus animais de estimação duas vezes por dia.

A ministra da Agricultura, Julia Klöckner, disse que está a introduzir a nova lei com base em evidências de que muitos dos 9,4 milhões de cães do país não estão a receber os exercícios ou estímulos de que precisam.

De acordo com os novos regulamentos da Lei dos Cães, uma corrida rápida em torno do quarteirão não será suficiente, uma vez que os donos terão de levar os seus cães a passar por pelo menos uma hora em cada ocasião.

Klöckner disse que as regras foram baseadas em novas descobertas científicas que mostram que os cães precisam de uma "medida suficiente de atividade e contacto com estímulos ambientais", incluindo outros animais, a natureza e as pessoas. Amarrar cães por uma corrente ou trela por longos períodos também será proibido.

Os cães não poderão ser deixados sozinhos em casa o dia todo, e uma pessoa será obrigada a cuidar do seu cão "várias vezes ao dia". "Os cães não são brinquedos fofinhos. Também têm as suas próprias necessidades, que precisam ser levadas em consideração", afirmou a ministra.

A notícia da lei, que deve ser apresentada no próximo ano e foi amplamente divulgada pela primeira vez esta semana, gerou um debate animado na Alemanha.

A questão principal é como será possível verificar as 19% de casas alemãs que possuem cães, que, como animais de estimação, perdem em popularidade apenas para os gatos.

Uma porta-voz do Ministério da Agricultura disse que as autoridades de cada um dos 16 estados da Alemanha serão responsáveis ​​por fazer cumprir a lei.

Mas o ridículo em relação à legislação veio até mesmo de dentro do próprio partido de Klöckner, a União Democrática Cristã. Saskia Ludwig, parlamentar da CDU que também tem assento na assembleia estadual de Brandenburg, em Potsdam, disse que a onda de calor atual significa que não é adequado para os cães ficarem fora de casa por tanto tempo.

"DIVULGAÇÃO VOLUNTÁRIA: Não vou levar o meu Rhodesian Ridgeback para duas voltas de caminhada debaixo de um calor de 32 graus. Em vez disso, vamos mergulhar no rio para nos refrescarmos", escreveu no Twitter.

Bärbel Kleid, dona de um yorkshire terrier de 5 anos chamado Sam, que mora em Berlim, discorda da nova lei. "Acho paternalista ouvir por quanto tempo devo levar o meu cão a passear. E quem me vai verificar? O vizinho chamará a polícia se suspeitar que não estou a levar o Sam para caminhadas longas as vezes suficientes?", atirou.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG