Donald Trump regressa à sala oval seis dias depois de testar positivo

Número de trabalhadores da Casa Branca que testaram positivo para o novo coronavírus não para de aumentar

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, regressou esta quarta-feira à sala oval da Casa Branca, apenas seis dias depois de ter testado positivo à covid-19, confirmou o seu porta-voz, Brian Morgenstern.

O regresso de Trump ao seu gabinete de trabalho foi denunciado pela colocação de um soldado no lado exterior da ala oeste da residência oficial, o que significa que o presidente dos Estados Unidos se encontra na sala oval.

De acordo com o mesmo porta-voz, citado por agências internacionais, o presidente norte-americano aproveitou para obter informações sobre os planos de apoio à economia e os desenvolvimentos da potencialmente devastadora passagem do furacão Delta pelo Golfo dos EUA.

Trump, que ainda deverá estar infetado com a doença, encontra-se em convalescença na Casa Branca desde que regressou, segunda-feira, de um internamento de três dias num hospital militar situado perto de Washington.

Responsáveis da Casa Branca asseguraram que foram colocadas em prática medidas de segurança adicionais para proteger os funcionários que possam ter tido de interagir com o presidente, incluindo a obrigatoriedade de utilização de equipamentos de proteção individual completos.

O comportamento de Donald Trump desde que abandonou o hospital, na segunda-feira à noite, tem sido alvo de críticas e escrutinado com particular atenção no momento em que o número de trabalhadores da Casa Branca que testaram positivo para o novo coronavírus não para de aumentar.

Mais de 15 membros da equipa ou círculo próximo de Trump tiveram teste positivo nos últimos dias, incluindo a primeira dama, Melania, assessor principal, chefe de imprensa, gerente de campanha, ex-conselheiro, assistente pessoal, quatro assessores de imprensa, três senadores republicanos e um militar que serve diretamente o Presidente.

Stephen Miller, consultor para imigração e redator de discursos de Trump, também anunciou queque teve um teste positivo, na terça-feira. Miller é uma das várias pessoas que ajudaram Trump a preparar o debate presidencial da semana passada com Joe Biden e que agora deram positivo, incluindo o ex-governador de Nova Jersey, Chris Christie.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (210.918) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 7,5 milhões).

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e cinquenta e um mil mortos e mais de 35,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG