Dois mortos. Merkel assume que tiroteio na Alemanha foi um "atentado"

O tiroteio aconteceu junto a uma sinagoga na cidade alemã de Halle. Merkel fala de "atentado" e ministro do Interior classifica-o como "ataque antissemita". Um suspeito detido

A chanceler alemã, Angela Merkel, classificou como um "atentado" o tiroteio ocorrido perto de uma sinagoga em Halle, no leste da Alemanha, que fez pelo menos dois mortos e dois feridos graves. Foi detido um suspeito, um alemão de 27 anos.

O ministro do Interior alemão, Horst Seehofer, foi mais longe nas palavras, afirmando que o tiroteio constitui um "ataque antissemita" provavelmente perpetrado por um simpatizante de um movimento de "extrema-direita".

Na rede social Twitter, o porta-voz da chanceler, Steffen Seibert, informou que Angela Merkel está a acompanhar "o desenvolvimento dos factos após o atentado de Halle" e que expressa a sua "solidariedade a todos os judeus pelo feriado [religioso judaico] Yom Kipur", assinalado entre terça-feira e esta quarta-feira.

"No atual estado de coisas, devemos partir do princípio de que se trata de um antissemita", referiu, por sua vez, Horst Seehofer, num comunicado, acrescentando que a justiça suspeita de um ato de "extrema-direita".

A polícia de Halle levantou, entretanto, o estado de alerta acionado após o tiroteio, informando que a população daquela cidade está novamente autorizada a sair para as ruas.

"O perigo para a população não é mais considerado como alto", informaram as forças policiais locais no Twitter. "Ainda estamos no local com um dispositivo importante. Podem regressar às ruas, os alertas estão levantados", acrescentou a polícia.

O ataque ocorreu ao fim da manhã quando um homem fortemente armado tentou entrar numa sinagoga em Halle.

O jornal francês Le Monde revela que o autor do ataque filmou e difundiu o atentado em direto através da Internet. As imagens terão sido filmadas por um telemóvel fixado no capacete que usava. O vídeo apresenta, igualmente, um manifesto do atirador onde explica as suas motivações "com uma retórica violenta antissemita e antifeminista".

Entre 70 a 80 pessoas estavam no interior da sinagoga no momento do ataque. A polícia de Halle confirmou, entretanto, uma detenção.

A Procuradoria-geral da Alemanha, que tem competências na área da luta antiterrorista, assumiu a investigação.

Israel condena "mais um exemplo do antissemitismo europeu"

O Governo de Israel condenou o tiroteio nos arredores de uma sinagoga, na Alemanha, considerando que se trata de mais um exemplo do antissemitismo europeu, num dia sagrado para os judeus.

"O ataque terrorista contra a comunidade judaica em Halle, Alemanha, no dia mais sagrado da nossa nação (o Yom Kipur), é mais uma manifestação de antissemitismo na Europa", disse o primeiro-ministro interino de Israel, Benjamin Netanyahu.

"Em nome do povo de Israel, envio as minhas condolências às famílias das vítimas e os meus melhores votos aos feridos", disse Netanyahu, que instou as autoridades alemãs a "continuarem a agir decisivamente" contra o fenómeno do antissemitismo.

O Presidente de Israel, Reuvén Rivlin, expressou dor e consternação pelos "terríveis assassinatos antissemitas no dia mais sagrado e mais importante do ano para todos os judeus do mundo" e apelou aos líderes alemães e "ao mundo livre" para que se socorram de "toda a força da lei" contra o antissemitismo.

"Continuaremos a fazer campanha pela educação na luta contra o antissemitismo, que está a regressar repetidamente na Europa e no mundo, com base na clara consideração de que não é apenas um problema dos judeus, mas antes ameaça destruir-nos a todos ", disse Rivlin, num comunicado hoje divulgado.

Atualizado às 22.20.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?