Dinheiro por lixo: aldeia da Indonésia amontoa-se na reciclagem de resíduos

A decisão da Indonésia de impedir a importação de resíduos estrangeiros afetou a aldeia de Bangun, onde os moradores dizem que ganham mais dinheiro a separar pilhas de lixo do que a cultivar em arrozais outrora exuberantes.

Sobrecarregada por um aumento nas importações de resíduos depois de a China ter fechado as suas portas ao lixo estrangeiro, a Indonésia endureceu as regras de importação e as inspeções aduaneiras, enviando centenas de toneladas de resíduos estrangeiros de volta aos seus países de origem.

Grupos ambientalistas elogiaram a ação repressiva, mas os moradores de Bangun, uma ilha de Java, dizem que restringir o lixo de países como Estados Unidos, Canadá e Austrália vai acabar com uma fonte de receita vital. "Se eles vão proibir-nos de o fazer, tem de haver uma solução. O governo não nos proporcionou empregos", disse Heri Masud ao fazer uma pausa na triagem de lixo empilhado ao redor da aldeia de 3.600 pessoas.

As frentes e os quintais das casas em Bangun transbordam com lixo em terras que já foram usadas para cultivar arroz. Os habitantes procuram plástico e alumínio para vender a empresas de reciclagem. Os fabricantes de tofu também compram resíduos para queimar como combustível ao fazer os alimentos à base de soja.

Masud disse que o dinheiro da separação do lixo é usado para financiar atividades como o envio de aldeões na peregrinação de Haj aos locais mais sagrados do islão na Arábia Saudita. "Todos os anos, 17-20 pessoas desta aldeia vão numa Haj. Isso é financiado a partir desses resíduos", disse.

Salam, de 54 anos, disse que o lixo reciclado pagou os estudos dos seus filhos, e também comprou uma casa para a sua família e gado. "Tenho nove cabras agora", disse Salam, que trabalha como intermediário de resíduos entre os camponeses e uma fábrica de papel próxima e diz que o seu trabalho é mais fácil do que a agricultura.

Embora possa ser mais lucrativo, as pilhas de lixo são uma ameaça à saúde dos moradores, dizem ambientalistas. Uma investigação do grupo ambientalista ECOTON descobriu que os microplásticos haviam poluído a água subterrânea em Bangun e no vizinho rio Brantas, usado para beber água por 5 milhões de pessoas na região.

A Indonésia importou 283.000 toneladas de resíduos plásticos no ano passado, um aumento de 141% em relação ao ano anterior. O país é o segundo maior contribuinte de poluentes plásticos nos oceanos do mundo, de acordo com um estudo realizado em 2015.

Os resíduos domésticos também são um problema. A Indonésia gera 105.000 toneladas de resíduos sólidos urbanos todos os dias nas áreas urbanas, sendo que apenas 15% são reciclados, informa um relatório do Banco Mundial datado de junho. Muitos aterros sanitários urbanos estão perto da capacidade total e as praias de todo o arquipélago estão muitas vezes cheias de lixo.

"Já sabemos que a Indonésia está poluída, e agora a América está a acrescentar o seu lixo", disse Prigi Arisandi, diretor executivo da ECOTON, num recente protesto diante do consulado geral dos EUA em Surabaya, no leste de Java.

A Indonésia lançou um plano para reduzir em 70% o lixo plástico nos mares até 2025, comprometendo-se a gastar mil milhões de dólares, mas não é claro o progresso realizado até agora. O governo está atrasado na implantação de estações de co-geração de energia, enquanto um plano para impor um imposto sobre os sacos de plástico enfrenta forte oposição da indústria do plástico.