Detido segundo suspeito do desaparecimento de menina lusodescendente

Primeiro suspeito deverá também ficar detido mais tempo

Foi detido um segundo suspeito de envolvimento no desaparecimento da menina lusodescendente de 9 anos, em França. Esta sexta-feira, a justiça francesa aumentou ainda em 24 horas o período de detenção do primeiro suspeito preso, um homem de 34 anos que estava no casamento onde Maëlys de Araújo foi vista pela última vez.

A menina lusodescendente de 9 anos está desaparecida desde domingo passado. A criança desapareceu por volta das 3:00, durante a festa dum casamento na cidade de Pont-de-Beauvoisin, a 85 quilómetros de Lyon, no sudeste de França.

De acordo com o Le Figaro, o segundo homem detido também tem 34 anos. Esta segunda detenção tem como objetivo investigar as declarações feitas pelo suspeito e que apresentam contradições, declarou a mesma fonte, de acordo com o diário francês.

O primeiro homem detido, que foi preso na quinta-feira, é um dos convidados do casamento do lado do noivo.

A procuradora de Bourgoin-Jallieu, Dietlind Baudoin,j á havia anunciado na segunda-feira a abertura de uma investigação de rapto após o desaparecimento de Maëlys de Araújo. Estab quinta-feira, afirmou que a polícia pretende esclarecer o paradeiro do convidado, que deixou as festividades do casamento na altura em que a criança desapareceu.

No domingo, por volta das 03:00 (02:00 em Lisboa), os pais descobriram que Maëlys não estava no salão de festas nem nas proximidades de onde se realizava a festa do casamento, em Pont-de-Beauvoisin.

As autoridades colocam a hipótese de Maëlys de Araújo ter sido raptada. Ocorriam mais duas festas nas proximidades do local onde a menina desapareceu.

Já na segunda-feira de manhã, vários recursos foram disponibilizados pelas autoridades na busca pela criança, cerca de 100 polícias, vários cães de busca, uma equipa de mergulhadores e um helicóptero.

Os interrogatórios aos vários convidados da festa de casamento, mais de 200 pessoas, foram realizados pelas autoridades policiais.

O caso está nas mãos do departamento de investigações de Grenoble, apoiado pela brigada de investigações de Tour-du-Pin e pela brigada territorial de Pont-de-Beauvoisin.

Segundo fonte da secretaria de Estado das Comunidades, o caso de Maëlys de Araújo, que é lusodescendente e tem apenas nacionalidade francesa, está a ser acompanhado pelo consulado de Portugal em Lyon, que já conversou com a família para oferecer o apoio necessário.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG