Havana vai mandar turistas para as praias de Varadero durante visita de Obama

Norte-americanos estão proibidos de fazer turismo em Cuba, mas vão ser enviados para Varadero.

Os americanos que visitarem Havana mais perto do final do mês vão ser retirados dos hotéis e deslocados para Varadero, para libertar espaço para a comitiva do presidente Barack Obama, que visita a ilha a 21 e 22 de março. Assim, os turistas dos Estados Unidos vão ser enviados para perto de um local que a lei americana os impede de visitar: a praia.

É que Varadero, a uma hora de carro de Havana, com praias de areia branca e águas de cor azul-turquesa, é um destino quase proibido para os norte-americanos. Os cidadãos dos Estados Unidos não podem ir à praia, uma vez que as restrições sobre as viagens para Cuba proíbem expressamente o turismo - estão limitados a viagens autorizadas para trocas culturais e educacionais. Isto faz com que a maior parte dos turistas norte-americanos se concentre em Havana.

"O governo cubano está a esvaziar os hotéis de Havana e a enviar os grupos norte-americanos para Varadero", disse Collin Laverty, presidente do Cuban Educational Travel, que organiza visitas autorizadas à ilha. "Vai ser difícil evitar o turismo rodeados de areia branca, água turquesa e buffets", acrescentou. "Mas vamos tentar."

Março já é tradicionalmente um dos meses mais concorridos e a visita histórica de Obama veio colocar mais pressão em hotéis que já estavam cheios durante grande parte da estação alta. Os maiores hotéis de Havana estão a ser "libertados", de acordo com o diretor de uma agência de viagens norte-americana que pediu para não ser identificado, com medo de prejudicar as suas relações comerciais. "Acabei de ser informado que o Capri, Panorama, Nacional, metade do Parque Central e potencialmente outros hotéis receberam ordens para enviar todos os hóspedes para Varadero de 19 a 23 de março", escreveu num e-mail.

Depois da aproximação entre os Estados Unidos e Cuba, iniciado por Obama e pelo presidente Raul Castro em dezembro de 2014, o número de visitas de norte-americanos a Cuba aumentou 77% em 2015, para 161 mil visitantes. Cuba espera um aumento semelhante este ano.

No entanto, só o Congresso norte-americano, atualmente controlado pelo republicanos, pode levantar o embargo e a proibição de fazer turismo, em vigor desde o início da década de 1960.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG