Chamas consomem castelo japonês com 500 anos, património da Unesco

Obra arquitetónica com mais de 500 anos já tinha ardido durante a Segunda Guerra Mundial. Está completamente destruído.

O Castelo Shuri, um Património Mundial da UNESCO na província de Okinawa, no sul do Japão foi consumido pelas chamas. O corpo de bombeiros da cidade de Naha diz que recebeu uma chamada de emergência relatando um incêndio no castelo por volta das 2.40 do horário do Japão.

Segundo as autoridades o salão principal e um edifício contíguo arderam por completo, tendo as chamas propagado a um edifício lateral.

O castelo, construído há cerca de 500 anos pela dinastia Ryukyu, foi considerado tesouro nacional do Japão em 1933. Já tinha sido alvo de um incêndio durante a Segunda Guerra Mundial, tendo o salão principal sido restaurado em 1992.

O alerta para o incêndio foi dado às 2:40 (17:40 de quarta-feira, em Lisboa) e o combate às chamas ainda mobiliza a esta hora vários operacionais. O fogo, que teve início no salão principal, Seiden, já consumiu 4.200 metros quadrados do complexo, de acordo com a emissora NHK.

Não há, até ao momento, registo de feridos, mas 30 pessoas foram retiradas das suas casas e transferidas para locais mais seguros, disse o porta-voz da polícia de Okinawa, Ryo Kochi. As causas do incêndio ainda estão a ser apuradas.

Além do salão principal, as chamas já consumiram o salão norte (Hokuden) e uma terceira estrutura, Nanden, está quase destruída. Assim, os cerca de 480'0 metros quadrados da instalação foram destruídos, sendo que o edifício principal era de madeira, enquanto os edifícios norte e sul também incorporavam aço. Segundo os bombeiros, em nenhum deles foi instalado um sistema de aspersores para combater eventuais incêndios.

Os bombeiros locais afirmaram ser provável que o incêndio tenha começado no edifício principal, uma grande estrutura vermelha com azulejos tradicionais no telhado, e que se espalhou rápidamente por todo o castelo.

O castelo tinha sido construído numa mistura de estilos arquitetónicos japoneses e chineses, dando destaque às características únicas do Reino Ryukyu. "Quinhentos anos da história de Ryukyuan (séculos XII a XVII) são representados por esse grupo de locais e monumentos", explica o site da UNESCO. "As ruínas dos castelos, em locais imponentes, são evidências da estrutura social durante grande parte desse período, enquanto os locais sagrados fornecem testemunho mudo da rara sobrevivência de uma forma antiga de religião na era moderna".

O Japão tem vários complexos históricos de castelos, a maioria dos quais reconstruções de edifícios originais. Muitos sofreram danos causados por desastres naturais nas últimas décadas, inlcuindo o Castelo de Kumamoto, em Kysshu, que foi seriamente danificado por terramotos devastadores.

Em 1949, o salão principal de Horyuji, um templo budista da província de Nara, incendiou-se e Kinkuji, na província de Kyoto, foi destruído por um incêndio criminoso em 1950. O que levou o Japão a promulgar a Lei de Proteção de Propriedades Culturais em 1950.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG