Brexit. "UE continua disponível, mas não convencida", avisa Donald Tusk

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou que a União Europeia (UE) permanece "disponível" para ouvir os britânicos, mas notou que o lado europeu "ainda não está convencido" com as propostas de saída apresentadas por Londres.

"Hoje recebi duas chamadas telefónicas relacionadas com o 'Brexit', primeiro de Dublin e depois de Londres", informa Donald Tusk através de uma publicação feita na sua conta oficial da rede social Twitter.

E concretiza: "A minha mensagem para Leo Varadkar [primeiro-ministro irlandês]: Apoiamos totalmente a Irlanda".

Já para o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, Tusk deixa um aviso: "Permanecemos disponíveis, mas ainda não convencidos".

Na quarta-feira, o Governo britânico divulgou a sua proposta de compromisso em relação à fronteira irlandesa para evitar uma saída da UE sem acordo a 31 de outubro, permitindo, segundo Londres, que não haja controlos alfandegários na fronteira.

O plano, que substitui o controverso 'backstop' (mecanismo de salvaguarda para a Irlanda) do anterior acordo, prevê que a Irlanda do Norte pertença à mesma zona aduaneira que o resto do Reino Unido, mas mantendo os regulamentos da UE durante um período de transição.

Reagindo ao documento após uma conversa telefónica com o primeiro-ministro britânico, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reconheceu em comunicado "avanços positivos, particularmente no que diz respeito ao completo alinhamento regulatório de todos os bens e do controlo dos bens provenientes da Grã-Bretanha que entrem na Irlanda do Norte".

No entanto, para Juncker "ainda existem alguns pontos problemáticos que exigirão um trabalho suplementar nos próximos dias, principalmente no que diz respeito à governança do 'backstop'", segundo a mesma nota.

Antes, na carta enviada pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, a Jean-Claude Juncker, o líder britânico sugeriu a "potencial criação de uma zona regulatória para toda a ilha da Irlanda, abrangendo todos os bens, incluindo agroalimentares".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.