Bispo Jair? Bolsonaro pode mudar para o partido da IURD

Em rota de colisão com a atual força política, o presidente da República estuda cinco convites. Entre os quais, do Republicanos, ex-PRB, o braço político da IURD, igreja evangélica fundada por Edir Macedo. "Estão recomendando que a gente o traga", admite o líder do partido, Bispo Marcos Pereira

A notícia parece saída do noticiário desportivo naqueles últimos dias de mercado de transferência. Mas trata de política brasileira e do presidente da República. Em rota de colisão com o seu atual partido, o Partido Social Liberal (PSL), Jair Bolsonaro equaciona romper e já recebeu cinco convites de partidos de pequeno e médio porte, admite a sua empresária, perdão, a sua advogada Karina Kufa, em entrevista ao jornal O Globo.

Mas aquele que pode ganhar a corrida pela contratação de Bolsonaro - e de boa parte dos atuais deputados pelo PSL - é o Republicanos, que até meados deste ano ainda se chamava Partido Republicano Brasileiro e é considerado oficiosamente o braço político da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), uma das mais influentes denominações evangélicas do país.

"Estão recomendando isso, que a gente o traga para o partido", disse Marcos Pereira, bispo da IURD que comanda o partido, ao jornal Folha de S. Paulo. Sobre a transferência, além do presidente, dos parlamentares dissidentes do PSL para o Republicanos, o bispo recomendou "paciência". "Não foi feito esse diálogo ainda", admitiu.

A IURD, cujo fundador e líder é o bispo Edir Macedo, tem preponderância sobre o Republicanos. Ela é também proprietária do Grupo Record, que detem a segunda televisão de maior audiência do Brasil, considerada simpática a Bolsonaro e ao governo, e cujos lucros de publicidade estatal cresceram 659% desde a eleição. E de uma universidade, que oferece cursos de Ciências Políticas, Gestão Pública, Direito Eleitoral e Política Contemporânea, autorizada a exercer desde novembro do ano passado, um mês depois das eleições.

No último dia 1 de setembro, Macedo recebeu Bolsonaro no Templo de Salomão, a sede da IURD, em São Paulo, e ungiu-o com azeite da igreja. Com as mãos na cabeça de um presidente da República ajoelhado, o bispo sentenciou que a vida dele se dividira entre um antes e um depois daquela cerimónia, assistida por 10 mil fiéis. O apoio declarado de Macedo a Bolsonaro às vésperas das eleições de 2018 já fora considerado decisivo para o sucesso do então candidato pelo PSL.

A saída de Bolsonaro do PSL está iminente, como admite Karina Kufa: "Vai depender da decisão política do presidente. Lá atrás, o presidente estava desgostoso com o partido e fiz um pedido para que tentasse a conciliação. Foi quando eu conversei com o vice-presidente [Antonio] Rueda, para negociar um acordo".

A guerra do presidente da República é, sobretudo, com o presidente do partido, Luciano Bivar, e ficou exposta claramente na semana passada num episódio ocorrido em frente ao Palácio do Alvorada, sua residência oficial. Enquanto tirava fotografias e gravava vídeos com apoiantes, disse a um deles "divulga isso não, esse cara está queimado", depois do acólito ter gritado enquanto gravava "em Pernambuco, com Bolsonaro e Bivar".

Bivar, ao ouvir a gravação, reagiu na mesma moeda e ameaçou expulsar Bolsonaro do partido, dizendo que "ele já está esquecido".

Como pano de fundo da crise, cujo episódio em frente ao Alvorada foi só o último de muitos capítulos, está a soma milionária do fundo partidário e eleitoral a que o PSL tem direito, como detentor de um grupo parlamentar de 52 deputados e três senadores.

Ambas as partes - tanto o núcleo duro do bolsonarismo, que atribui à onda em torno do presidente, nas últimas eleições, o crescimento do PSL de um para os tais mais de 50 congressistas após as últimas eleições; como Bivar, que fundou o partido há mais de 20 anos e apenas serviu de anfitrião ao candidato em 2018 - acusam a outra de apenas se moverem pela vontade de gerir aquela verba, a um ano das eleições municipais de outubro de 2020.

O pano de fundo contempla ainda escândalos - o PSL é acusado de ter promovido candidaturas fantasma de mulheres, que acabaram com votações irrisórias, para cumprir a quota feminina e ter acesso ao fundo eleitoral correspondente. Luciano Bivar foi mesmo alvo de uma operação policial nas últimas horas - chamada Operação Guinhol, em alusão ao teatro de fantoches do século XIX - com nove mandados de busca e apreensão a moradas suas.

Soma-se a essa operação, a decisão há duas semanas do ministério público de constituir arguido Marcelo Álvaro Antônio, o ministro do turismo do governo Bolsonaro que dirigia o diretório de Minas Gerais do PSL, um dos mais visados no escândalo das candidaturas fantasma. Bolsonaro resiste a demiti-lo mas deixou cair outro ministro, Gustavo Bebbiano, que presidiu ao partido durante a campanha e foi um dos seu principais braços direitos dos últimos anos, por causa do mesmo escândalo.

Caso Bolsonaro abandone o PSL e opte pelo Republicanos, ou outra força, será o seu nono partido em cerca de 30 anos de carreira.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...