As primeiras imagens dos destroços do avião

Há informações não confirmadas de que terá sido localizada uma das caixas negras

Foram divulgadas as primeiras imagens daquilo que tem sido recuperado do mar Mediterrâneo, na zona onde caiu o avião da EgyptAir na quinta-feira.

Ontem, o ministro da Defesa grego havia especificado que haviam sido encontrados parte de um corpo, dois assentos e uma ou várias malas.

Os objetos foram encontrados "um pouco mais a sul" do presumível local de queda, calculada pelas autoridades gregas a 130 milhas da ilha de Karpathos, precisou o ministro Panos Kammenos.

"As buscas continuam. Parece que aviões aliados localizaram outros destroços numa outra zona, mas não há nenhuma confirmação oficial de que se trate de destroços do avião em causa", disse Kammenos.

Os primeiros destroços do aparelho foram descobertos a 290 quilómetros a norte de Alexandria por aviões e navios destacados para as buscas pelo Exército egípcio.

Entretanto, as equipas de busca localizaram uma das caixas negras do avião, segundo fontes do governo egípcio citadas pela televisão norte-americana CBS.

As causas da queda do avião, um Airbus A320 que fazia ligação entre Paris e o Cairo, continuam por determinar.

A bordo do aparelho seguiam 66 pessoas, entre as quais um português.

O avião caiu no Mediterrâneo, a cerca de 130 milhas da ilha de grega de Karpathos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.