Twitter combate a desinformação recorrendo aos próprios utilizadores

Projeto-piloto da rede social utiliza a técnica de crowdsourcing para assinalar e corrigir informações falsas ou enganadoras.

No rescaldo da crise Donald Trump, o Twitter anunciou esta segunda-feira um novo projeto-piloto que visa melhorar a deteção e correção de informações falsas ou enganadoras transmitidas pela sua rede social.

Chamou-lhe projeto Birdwatch e tem como novidade o facto de recorrer à própria comunidade de utilizadores para fazer o serviço.

Para já, o projeto está aberto a apenas 1000 utilizadores escolhidos, (que podem candidatar-se para serem "birdwatchers") que se voluntariam para servirem de moderadores para o tráfego na rede social.

Segundo o Twitter, toda a atividade destes moderadores será pública, descarregável por qualquer pessoa, de forma a que todo o processo seja absolutamente transparente.

A atividade dos moderadores será ainda utilizada pelos sistemas de inteligência artificial do Twitter para "aprender", de forma a melhorar os algoritmos e filtros automáticos de todo o sistema.

Nesta fase piloto, o Birdwatch irá funcionar num site separado do próprio Twitter, com a empresa a afirmar que uma equipa especializada irá depois avaliar a eficácia do sistema para o melhorar e avaliar que passos dar no futuro.

A utilização de sistemas de crowdsourcing para o apuramento da verdade não é novidade na internet. O exemplo mais evidente é o da Wikipedia, a enciclopédia online que funciona totalmente através da contribuição da comunidade de internautas.

Também o Quora, outra rede social vocacionada para a troca de conhecimentos funciona através da colaboração de indivíduos com interesses semelhantes e autocorrige-se pelo conhecimento cruzado de quem nele participa, normalmente com bons resultados.

Já o Reddit é um caso em que o crowdsourcing de conhecimentos não funciona de forma tão eficaz, havendo muita desinformação partilhada, pelo que pode servir de exemplo como esta não é necessariamente uma ferramenta mágica para o problema.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG