"Revolução". Capa é uma criança transgénero

A revista percebeu que o género está no centro de problemas sociais e dedica um número inteiro a este assunto

A icónica revista National Geographic vai começar o ano de 2017 com uma edição marcante sobre a revolução dos géneros. Na capa, vai estar Avery Jackson, uma criança de nove anos transgénero.

"A melhor parte de ser uma menina é que não tenho de fingir que sou um rapaz", aparece escrito na capa, logo abaixo da menina com roupa e cabelo cor de rosa.

Este número da revista, que chega às bancas nos Estados Unidos a 27 de dezembro, foi inspirado na omnipresença do género nos discursos, segundo o que a editora chefe da revista Susan Goldberg disse à NBC Out.

"A National Geographic tem quase 130 anos e tem falado sobre culturas, sociedades e problemas sociais durante todos estes anos", disse a editora. "Percebemos, ao ouvir os debates nacionais, que o género está no centro de muitos desses problemas", concluiu.

Com este número, a revista vai lançar também um documentário realizado por Katie Couric que vai mostrar pais de crianças transgénero, pessoas que vão fazer operações de mudança de sexo e indivíduos que se definem como intersexuais.

Uma pequena parte do documentário foi publicada, para promover o filme.

"Queremos observar como os papéis de género tradicionais funcionam em todo o mundo, mas também olhar para o género como um espetro", continuou Goldberg, acrescentando que encontrou um padrão: meninas em várias partes do mundo dizem que não são tratadas como os homens por causa do género.

"Há muita cobertura [mediática] sobre as celebridades mas não houve nenhuma compreensão sobre pessoas reais e os problemas que enfrentam todos os dias nas salas de aulas ou locais de trabalho devido ao género", disse a editora.

O caso mais comentado nos últimos tempos foi o de Caitlyn Jenner, a mulher famosa que revelou a sua nova identidade numa capa da Vanity Fair.

Goldberg acredita que estes casos não representam a maioria das pessoas com identidades de género fora das tradicionais.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.