Que tipo de utilizador do Facebook é?

É um construtor de relações, pregoeiro, "selfie" ou espectador?

Em média, mais 1,2 mil milhões de pessoas passam pelo Facebook todos os dias ??????. Por mês são dois mil milhões. Um grupo de investigadores da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, tentou explorar o que leva as pessoas a esta rede social e depois tentou dividi-las em categorias.

Com base em inquéritos e entrevistas, os investigadores identificaram quatro tipo de utilizadores: os construtores de relações, pregoeiros, "selfies" e espectadores (window shoppers).

Os construtores de relações fazem publicações com regularidade, respondem aos outros e usam as ferramentas que o Facebook oferece sobretudo para reforçar as relações que já existem fora do mundo virtual. "Usam a rede como uma extensão da vida real, com a famílias e amigos", explica Tom Robinson, um dos autores do estudo. As pessoas que pertencem a este grupo identificaram-se muito com afirmações como "o Facebook ajuda-me a expressar o meu amor pela minha família e deixa a minha minha família fazer o mesmo", por exemplo.

Para os pregoeiros, por outro lado, diz o artigo publicado no International Journal of Virtual Communities and Social Networking, os dois mundos, real e virtual, estão mais separados. Não se preocupam muito com a partilha de fotografias, histórias e outra informação sobre si próprios, mas sim com o que se passa no mundo - "querem informar as pessoas sobre o que se passa", explica Robinson. Assim, é mais comum partilharem notícias e anunciarem eventos.

Os "selfies" usam a rede social para se promoverem, diz o estudo. Tal como o primeiro grupo, partilham fotografias, vídeos e histórias, mas o foco está em conseguir atenção, gostos e comentários. A aprovação dos pares é um elemento muito valorizado por estes utilizadores.

Por fim, os espectadores (no estudo, em inglês, são referidos como window shoppers), sentem que têm de estar presentes no Facebook, mas raramente apresentam informação pessoal. Gostam, no entanto, de ver o que os outros estão a fazer e o que se passa na vida dos outros.

Para fazer este estudo, os investigadores construíram uma lista com 48 afirmações, potenciais razões que levam as pessoas à rede, pediram aos entrevistados para as classificarem de acordo com a pertinência, e depois fizeram entrevistas aos participantes.

E para que interessam esta categorias e etiquetas? Para os investigadores, os media sociais estão neste momento muito presentes em tudo o que fazemos e, apesar disso, "a maior parte das pessoas não pensa sobre porque o faz, mas se conseguirem reconhecer os seus hábitos, há pelo menos uma tomada de consciência", defende Kris Boyle.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.