Jornal gratuito "Metro" vai acabar

A publicação da Cofina deixará de ser distribuída a partir da próxima segunda-feira, dia 5 de setembro

O jornal gratuito Metro deixará de ser distribuído a partir da próxima segunda-feira, dia 5 de setembro. "A persistente situação anémica na economia nacional", que "tem vindo, desde há vários anos, a afetar de forma muito profunda a imprensa em geral e a imprensa gratuita em particular" é o "único fator que motiva a descontinuação" do Metro, anuncia em comunicado o grupo Cofina, responsável pela publicação.

O grupo de media que detém ainda o Correio da Manhã, Record, Jornal de Negócios e revista Sábado, entre outras, continuará, no entanto, "a manter a sua aposta no segmento da imprensa gratuita através do Destak", frisa a mesma nota.

A edição portuguesa do Metro foi comprada pela Cofina em 2009, cinco anos depois de ter chegado, em dezembro de 2004, a Portugal (mais precisamente Lisboa) pelas mãos da editora sueca Metro Internacional e do grupo Media Capital. A edição do Porto é distribuída desde 2005.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.