Gato Fedorento lançam "arrecadação" no YouTube

Quarteto de humoristas junta todos os sketches que fez ao longo dos anos num canal de YouTube

Não é "O Tal Canal", mas é um canal na internet onde pode ver, por exemplo, o sketch sobre "o papel, qual papel". O grupo de humoristas Gato Fedorento anunciou no domingo, dia 11, que vai lançar um canal no YouTube onde vão estar disponíveis todos os vídeos feitos até hoje.

Diogo Quintela, Ricardo Araújo Pereira, Miguel Góis e Tiago Dores não vão lançar novos trabalhos. Mas garantem facilidade para quem quem ver todo o trabalho do quarteto num só local. "Não é bem um canal, é uma arrecadação no YouTube e onde vamos despejar todas as coisas que já fizemos", explicou Ricardo Araújo Pereira durante os Thumb Media Play Awards. "É para ser mais fácil", acrescentou José Diogo Quintela.

O último trabalho que fizeram para televisão foi Isso "É Muito Bonito, mas..." para as eleições legislativas de 2015. A carreira como grupo começou com um blogue, em 2003, e com a escrita para grandes nomes do humor. Começaram a interpretar as suas piadas na SIC Radical, saltaram depois para a SIC, RTP e acabaram a carreira televisiva na TVI. Protagonizaram também as campanhas publicitárias para a MEO.

Atualmente apenas Ricardo Araújo Pereira se mantém ligado ao humor. José Diogo Quintela é um dos sócios da cadeia de pastelarias A Padaria Portuguesa e mantém-se na publicidade. Miguel Góis e Tiago Dores optaram por carreiras longe dos olhares mediáticos.

Aos fãs resta esperar pelo canal de YouTube para rever e ver alguns dos momentos mais marcantes dos Gato Fedorento. Para encontrar o canal basta seguir as indicações dos próprios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.