"Cometemos muitos erros". Zuckerberg quer corrigir o Facebook

O fundador da rede social estabeleceu a meta para 2018

Mark Zuckerberg anunciou que para 2018 o objetivo é corrigir os problemas do Facebook, nomeadamente no que diz respeito aos mecanismos contra os discursos de ódio, abusos ou interferências dos governos. O fundador desta rede social, que todos os anos, nos primeiros dias de janeiro, estabelece uma meta para o ano que se inicia, quer assegurar que a empresa proporciona bons momentos aos seus utilizadores e que se mantém a máxima que caracterizou a sua criação: dar o poder às pessoas.

Desde 2009 que Zuckerberg estabelece estes objetivos anuais, tendo já feito de tudo um pouco, desde ler 25 livros num ano, correr mais de 580 quilómetros, aprender mandarim, criar um assistente pessoal com inteligência artificial ou visitar todos os estados norte-americanos. "No primeiro ano, a empresa estava numa recessão profunda e o Facebook ainda não era lucrativo. Precisávamos de garantir que o Facebook tinha um modelo de negócio sustentável. Foi um ano sério e usei gravata todo os dias me lembrar disso", escreveu esta quinta-feira no Facebook.

"Hoje parece-se muito como esse primeiro ano", comparou. "O mundo sente-se ansioso e dividido e o Facebook tem muito trabalho a fazer - seja a proteger a nossa comunidade dos abusos e do ódio, defender da interferência dos Estados, ou garantir que o tempo passado no Facebook é bem passado", acrescentou.

"Não preveniremos todos os erros ou abusos, mas atualmente cometemos muitos erros a desenvolver as nossas políticas e a impedir o uso abusivo das nossas ferramentas", admitiu, manifestando a vontade de se reunir com peritos para discutir estes temas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.