Cambridge Analytica pode ter usado dados de 63 mil utilizadores portugueses

Quinze utilizadores portugueses descarregaram a aplicação "thisisyourdigitallife". Como chega o Facebook a estes números?

A rede social fundada por Mark Zuckerberg admitiu que a empresa Cambridge Analytica teve acesso indevido a dados de 63 mil utilizadores portugueses do Facebook. Estes utilizadores fazem parte dos 87 milhões de perfis potencialmente lesados no escândalo de abuso de dados, um número anunciado esta quarta-feira por Mark Zuckerberg. A Cambridge Analytica, no entanto, diz que licenciou dados de apenas 30 milhões de pessoas.

Segundo dados partilhados pela empresa, aproximadamente 15 pessoas fizeram o download da aplicação "thisisyourdigitallife" no Facebook, que foi usada para aceder a dados indevidamente. Segundo os cálculos da rede social, isto indica que "até 63 080 pessoas em Portugal podem ter sido afetadas".

Como chegaram a este número? O Facebook utilizou uma "metodologia expansiva" para chegar ao que considera ser a "estimativa mais correta" do número de pessoas que instalaram a app - 15 - e dos seus amigos que podem vistos os seus dados acedidos indevidamente, considerando a possibilidade de cada um ter naquela altura o número máximo de amigos permitido - cerca de 5000.

Na quarta-feira, o Facebook, admitiu que, afinal, terão sido lesados 87 milhões de utilizadores e não 50 milhões, cujas informações privadas foram partilhadas sem autorização com a empresa de marketing digital, que é acusada de ter utilizado para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores, nomeadamente nas últimas eleições presidenciais norte-americanas, que ditaram a nomeação de Donald Trump para a Casa Branca, e no referendo sobre o 'Brexit'.

Com a atualização da informação referente ao escândalo da Cambridge Analytica, o Facebook divulgou um gráfico com os países mais afetados, com os Estados Unidos a liderar a tabela (70,6 milhões de pessoas lesadas). Seguem-se as Filipinas (1,175 milhões), Indonésia (1,096 milhões) e o Reino Unido (1,079 milhões).

"Não fizemos o suficiente", admitiu esta quarta-feira Mark Zuckerberg durante uma conferência de imprensa feita ao telefone com jornalistas de todo o mundo. "Não nos concentramos o suficiente na prevenção do abuso", disse, referindo-se a notícias falsas, à interferência estrangeira em eleições, bem como os discursos de ódio. "Não tivemos uma visão ampla do que é nossa responsabilidade, e isso foi um grande erro. Foi um erro meu", afirmou.

Zuckerberg ouvido no congresso a 11 de abril

Na sequência deste escândalo, o fundador da rede social aceitou ser ouvido no congresso norte-americano. A audição realiza-se a 11 de abril, quarta-feira, na comissão de Comércio e de Energia da Câmara dos Representantes.

"Esta audiência será uma importante oportunidade para abordar as questões referentes à privacidade dos consumidores e para ajudar os norte-americanos a compreender melhor o que acontece com a sua informação pessoal online. Agradecemos a disponibilidade do sr. Zuckerberg (...) e esperamos com interesse as suas respostas a 11 de abril", realçaram Greg Walden e Frank Pallone, membros da Câmara dos Representantes dos EUA.

Esta não será a única oportunidade de Mark Zuckerberg para prestar esclarecimentos sobre este dossiê no Congresso. O fundador do Facebook foi igualmente convidado a prestar esclarecimentos numa audição na comissão de Justiça do Senado (câmara alta do Congresso), prevista para 10 abril.

Para esse mesmo dia, também foram chamados os presidentes do Twitter e do Google, Jack Dorsey e Sundar Pichai, respetivamente, para falar sobre as falhas de privacidade e partilha de dados.

No passado dia 20 de março, os deputados do parlamento britânico também pediram ao criador do Facebook para prestar esclarecimentos, mas a empresa informou que quem iria responder às perguntas dos deputados seria um dos adjuntos de Zuckerberg.

Posteriormente, os deputados britânicos pediram ao fundador do Facebook para que reconsiderasse a recusa de comparecer no parlamento e deram ao fundador da conhecida rede social um prazo de 12 dias, até 9 de abril, para responder ao pedido.

Uma das maiores crises da história do Facebook

As repercussões desta polémica prometem ser gigantescas. Devido ao escândalo, a gigante tecnológica registou, em março, os dois piores dias em bolsa, perdendo cerca de 50 mil milhões de dólares (cerca de 40,5 milhões de euros) de valorização.

Começou também a correr a hashtag #deletefacebook no Twitter e até o cofundador do WhatsApp, Brian Acton - que ficou milionário quando vendeu a empresa a Mark Zuckerberg - se juntou ao movimento. O regulador FTC (Federal Trade Commission) abriu uma investigação para averiguar se o Facebook violou os termos de um acordo assinado em 2011 sobre a gestão de dados pessoais de utilizadores. E o chefe de segurança de informação, Alex Stamos, decidiu sair da empresa.

"Os consumidores têm o direito de saber como é que a sua informação é usada - e companhias como o Facebook têm a responsabilidade fundamental de proteger a informação pessoal dos seus utilizadores", afirmou o procurador-geral do Estado de Nova Iorque, Eric T. Schneiderman, que lançou a sua própria investigação. O mesmo sucedeu com o congénere de Massachusetts e vários comités do congresso norte-americano pediram explicações, além de líderes europeus.

O tombo das ações deveu-se ao receio dos investidores de que a investigação da FTC e do congresso norte-americano leve a regulações mais apertadas, que afetem a capacidade de o Facebook lucrar com os dados dos utilizadores. É aqui que está o problema: a rede demorou a implementar políticas que limitassem o acesso de terceiros aos dados dos utilizadores do Facebook através de interfaces aplicacionais.

Da legalidade à fraude

A recolha de dados foi feita de forma legal, de acordo com os termos do Facebook, quando o professor universitário Aleksandr Kogan construiu a aplicação "thisisyourdigitallife" com Facebook Login - uma forma de se registar em serviços sem ter de criar nome de utilizador e palavra-passe. Cerca de 300 mil pessoas usaram o Facebook Login para entrarem na app em 2013 e foi assim que Kogan começou a recolher informações, tais como nome, localização, endereço de email, lista de amigos, até fotos. Nessa altura, o Facebook permitia aos programadores acederem também às informações dos amigos das pessoas que entravam na app. Ou seja: apenas 300 mil pessoas deram consentimento expresso de partilha dos dados, mas o programador recolheu informações de dezenas de milhões de pessoas. Nada disto foi ilegal. A análise do New York Times indica que os dados eram completos o suficiente para construir o perfil psicográfico de uns 30 milhões de pessoas.

A parte fraudulenta é que Kogan partilhou os dados com a Cambridge Analytica, uma transferência que infringiu os termos de serviços do Facebook. Zuckerberg anulou o acesso da app quando descobriu o sucedido, através de uma investigação do The Guardian em 2015, e pediu às duas entidades que apagassem os dados obtidos. Tal não aconteceu, como foi revelado agora com as notícias sobre o uso dos dados para ajudar a eleger Trump.

Alguns investidores do Facebook consideram que se tratou de negligência grosseira e entraram com um processo num tribunal federal de São Francisco. A ação legal junta-se à pilha de problemas que o Facebook enfrenta, desde a proliferação de notícias falsas às revelações de que entidades russas investiram em publicidade na rede social para interferirem nas eleições presidenciais de 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.