Youtuber Logan Paul pede desculpa por vídeo que mostra cadáver numa floresta japonesa

Logan Paul, de 22 anos, tem um canal no YouTube com mais de 15 milhões de subscritores

O conhecido YouTuber norte-americano Logan Paul pediu desculpa aos fãs por ter divulgado imagens de um cadáver na floresta japonesa Aokigahara, conhecida pelo alto número de suicídios.

"Por onde começar; talvez por aqui; peço desculpa", escreveu o vlogger depois de ter colocado no YouTube um vídeo em que mostra imagens de uma pessoa enforcada numa árvore na floresta de Aokigahara, perto do Monte Fuji.

No vídeo, que entretanto foi retirado do site oficial de Paul, o apresentador e alguns amigos encontram o corpo e fazem algumas piadas sobre a presença do cadáver.

Depois, aproveitam para chamar a atenção para o problema dos suicídios e defendem que quem está deprimido ou triste deve pedir ajuda e não deixar que a situação evolua para esta solução.

"Não o fiz para conseguir visualizações. Tenho visualizações. Fi-lo porque pensei que poderia criar uma onda positiva na internet, não causar um dilúvio de negativismo", escreveu Paul no Twitter, em resposta às muitas críticas de que foi alvo por outros 'bloggers' e por fãs.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio todos os anos, sendo a principal causa de morte a nível global nos jovens entre os 19 e os 29 anos. O Japão é um dos países do mundo com a maior taxa de suicídios, 19,7 por 100 mil em 2015 - Portugal, por exemplo, tem 13,7

Logan Paul, de 22 anos, tem um canal no YouTube com mais de 15 milhões de subscritores.

Serviços telefónicos de ajuda e apoio ao suicídio em Portugal e Europa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.