"Altered Carbon" na Netflix: este não é o meu corpo

Ficção científica baseada no livro de Richard K. Morgan estreia hoje na plataforma Netflix. Dez episódios para conhecer Takeshi Kovacs e imaginar o mundo daqui a 300 anos.

"A primeira coisa que aprendes é que nada é o que parece." É assim que começa Altered Carbon, a nova série de ficção científica que está disponível a partir de hoje na Netflix. E este "nada é o que parece" é para ser interpretado de forma literal, uma vez que neste futuro distópico pode acontecer que uma pessoa tenha o rosto (e o corpo) que antes pertencia a outra pessoa.

Altered Carbon é, antes de mais, um livro de Richard K. Morgan, autor britânico de ficção científica. Publicado originalmente em 2002, este é o primeiro romance em que aparece o mercenário Takeshi Kovacs, que será também protagonista nos livros Broken Angels (2003) e Woken Furies (2005).

Altered Carbon foi eleito como um dos livros do ano para o The New York Times e foi também vencedor do Philip K. Dick Award, em 2003. Aproveitando a estreia da série, chegará este mês às livrarias a edição portuguesa, da Saída de Emergência, com o título Carbono Alterado.

O projeto é da responsabilidade de Laeta Kalogridis que, há 15 anos, comprou os direitos do livro com a intenção de fazer um filme. Porém, só agora, consegue estrear esta série de 10 episódios. Ficção cyberpunk e com a ação a passar-se no século XXV, Altered Carbon é, segundo anuncia a Netflix, a série mais cara já produzida por este serviço, muito por causa de todos os efeitos especiais, digitais ou não, que foram utilizados. Para criar o futuro, pois então.

Neste futuro, as pessoas têm chips aplicados na coluna vertebral, onde estão armazenadas as suas memórias e todos os dados da sua personalidade. Mesmo que o corpo morra, se o chip não estiver danificado pode ser colocado num outro corpo. No entanto, apesar de o renascimento ser possível a todos, nem todos podem escolher os corpos em que vão renascer e acabam por ficar com corpos já mais velhos e marcados.

Só os mais ricos, os Meths, é que têm dinheiro para comprar os melhores corpos e, assim, viver indefinidamente (o nome é uma referência a Matusalém, figura do Antigo Testamento, conhecido por ter vivido 969 anos). E também podem fazer um backup do chip e ter cópias, que atualizam regularmente, guardadas em locais seguros. Esse é o caso de Laurens Bancroft (interpretação de James Purefoy) - um milionário que não sabe como morreu, uma vez que o seu chip foi danificado e não guardou as memórias das últimas 48 horas de vida. A polícia acredita que ele terá cometido suicídio, mas ele está convencido de que foi assassinado. Só não sabe como nem por quem.

Os chips também podem ser armazenados durante séculos - essa é a forma de um criminoso cumprir uma pena. Foi o que aconteceu a Takeshi Kovacs (interpretado por Joel Kinneman). Ele era um Enviado. Ou seja, um elemento de uma unidade militar especial formada para combater na guerra interestelar. Os Enviados desenvolvem capacidades especiais e têm os cinco sentidos muito mais apurados do que todas as outras pessoas. Kovacs, morto logo no início da série, por traição ao Protetorado, que é o governo da Terra, fica prisioneiro (congelado) durante 250 anos na prisão de Alcatraz. E sai da prisão, em liberdade condicional, num novo corpo, graças à intervenção de Bancroft que o quer contratar para que ele descubra tudo sobre a sua morte.

No primeiro episódio, além de irmos descobrindo todos estes pormenores, teremos ainda oportunidade de saber um pouco mais sobre o passado de Kovacs, os seus medos e as suas capacidades. E também ficamos a conhecer algumas das personagens que nos vão acompanhar ao longo da série: Quellcrist Falconer (Renée Elise Goldsberry), mentora de Kovacs, foi a líder de um movimento de rebelião contra o Protetorado; Miriam Bancroft (Kristin Lehman), a mulher do milionário; Poe (Chris Conner) um indivíduo de Inteligência Artificial que é o gerente do hotel de luxo The Raven e se vai tornar parceiro de Kovacs (sim, trata-se de uma homenagem a Edgar Allen Poe e à sua obra O Corvo); Kristin Ortega (interpretação de Martha Higareda), uma agente policial, com quem Kovacs vai manter uma relação de atração e rivalidade; e Reileen Kawahara (Dichen Lachman), a irmã de Takeshi.

Ao ver Altered Carbon é impossível não pensar em Matrix - pelo facto de a existência de um indivíduo poder ser separada do seu corpo - mas também podemos pensar nos filmes da série Mad Max ou até mesmo em Blade Runner. Também aqui o futuro é uma mistura entre tecnologia super avançada e um universo de ferro-velho, que até a nós nos parece obsoleto, quanto mais no século XXV. Tanto podemos estar num transporte voador muito sofisticado como num beco decadente de uma qualquer cidade que, para o caso, é Bay City, versão futurista de San Francisco, nos EUA. Tudo com uma dose generosa de violência e bocados de carne a saltarem por todos os lados sempre que houver tiroteios.

E tal como todas as boas histórias de ficção científica, esta é também profundamente existencialista. Aqui se debatem questões que têm a ver com as diferenças sociais entre ricos e pobres ou questões religiosas, mas acima de tudo têm a ver com o que faz de nós humanos e o que faz de nós imortais. Eles avisam-nos: "Não esperes nada, só assim estarás preparado para tudo." Porém, há algo que podemos esperar e (já está confirmado) iremos ter: uma segunda temporada de Altered Carbon.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.