Xanana Gusmão troca assinatura de tratado de fronteiras por visita à Serra Leoa

Xanana Gusmão, que liderou a equipa de Timor-Leste que negociou o tratado de fronteiras com a Austrália, não participa na cerimónia de assinatura do histórico documento tendo optado por, em vez de Nova Iorque, viajar para a Serra Leoa.

A visita, que não tinha sido previamente anunciada em Timor-Leste, foi confirmada por uma foto divulgada na página no Twitter da Comissão Nacional de Eleições da Serra Leoa, onde se vê o responsável do órgão eleitoral com o ex-Presidente timorense.

"O responsável da CNE, Mohamed Conteh, dá as boas vindas ao ex-Presidente de Timor-Leste, Kay Rala Xanana Gusmão", refere a legenda da foto divulgada hoje.

A visita ocorre na véspera de eleições presidenciais, parlamentares e locais.

A noticia da não-participação de Xanana Gusmão na cerimónia de hoje em Nova Iorque causou surpresa em Díli, suscitando vários comentários nas redes sociais, ainda que não tenha havido qualquer reação oficial.

Fontes diplomáticas e políticas em Díli e Nova Iorque confirmaram à Lusa que Xanana Gusmão não estará na cerimónia, não tendo sido dada até ao momento qualquer explicação para a decisão.

O tratado vai ser assinado pelo atual ministro Adjunto do primeiro-ministro timorense para a Delimitação de Fronteiras, Agio Pereira, e pela ministra dos Negócios Estrangeiros australiana, Julie Bishop.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, e o presidente da Comissão de Conciliação, Peter Taksøe-Jensen, que mediou as negociações entre os dois países, testemunham a assinatura.

A agenda prevê que as duas delegações se encontrem antes da cerimónia de assinatura, a que se seguirão declarações dos dois signatários e das duas testemunhas e, posteriormente, uma conferência de imprensa conjunta.

O dia deve terminar com uma receção oficial em que se esperam declarações de Julie Bishop e Agio Pereira.

O tratado, cujos contornos exatos não são ainda conhecidos, coloca a linha de fronteira na posição defendida por Timor-Leste, ou seja, equidistante dos dois países, como Díli sempre reivindicou, segundo confirmaram à Lusa fontes que participaram nas negociações.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.