Tradução de "Rimas" de Michelangelo Buonarroti vence Prémio INCM/Vasco Graça Moura

O vencedor da edição deste ano do Prémio INCM/Vasco Graça Moura, no valor de 5.000 euros, foi João Pedro Mendes Ferrão, pela proposta de tradução de "Rimas", da autoria Michelangelo Buonarroti (1475-1564), foi hoje divulgado.

"Enfrentar a tradução integral das 'Rimas', de Michelangelo Buonarroti, é um desafio a que poucos se entregaram no contexto da Língua Portuguesa, e raros o conseguiram com tão minuciosa competência, num notável trabalho de artesão e de oficina, como o que João Pedro do Carmo Rosa Mendes Ferrão patenteia", escreveu o júri, segundo comunicado da Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM), que instituiu o galardão em 2014.

O júri remata que "o resultado é um trabalho monumental que certamente ficará a marcar a receção em português de um clássico do cânone europeu".

Esta é a primeira tradução da obra poética de Michelangelo Buonarroti -- conhecido por Miguel Ângelo - a publicar-se em Portugal, realça a INCM.

A tradução da poesia do pintor, escultor, arquiteto e poeta quinhentista italiano Michelangelo Buonarroti foi distinguida por unanimidade pelo júri, ao qual presidiu o poeta José Tolentino de Mendonça.

O júri, que foi também constituído pelos escritores Pedro Mexia e Jorge Reis-Sá, atribuiu uma menção honrosa à proposta de tradução que Ana Filipa Morais Ferreira da Silva Santos apresentou de "Rimas", de Guido Cavalcanti (1255-1300), que será igualmente publicada com a chancela da INCM, tendo o júri assinalado "a qualidade musical e a transparência obtidas, que permitem redescobrir com deliciado assombro uma poética tão fundamental".

Este ano cumpriu-se a terceira edição do Prémio Vasco Graça Moura, que foi dedicada à tradução inédita de obras no domínio público. O galardão distingue diferentes áreas nas quais se destacou Graça Moura. Em 2015 foi a poesia, no ano passado o ensaio em Ciências Sociais e Humanas e, em 2018, volta a ser a poesia inédita em Língua Portuguesa.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.