REPORTAGEM: Física de partículas revela autenticidade de arte

A autenticidade de um quadro, vitral ou moeda pode ser revelada por uma máquina que acelera partículas que desencadeiam uma radiação que põe a nu a composição química de tintas, vidros ou metais e os 'data' de uma época.

A máquina, um acelerador de iões, funciona no polo tecnológico e nuclear do Instituto Superior Técnico, em Bobadela, Loures, um complexo de edifícios dos anos 60 onde a análise de objetos de arte e do património histórico-cultural com esta tecnologia é única no país.

O acelerador está ligado a uma microssonda. Juntas, as duas máquinas permitem aferir, com precisão e sem causar danos nas amostras em estudo, a origem e o estado de conservação de pinturas, tapeçarias, esculturas, cerâmicas, vitrais, moedas, manuscritos ou peças de ourivesaria.

A microssonda possibilita caracterizar os diferentes tipos de materiais usados no fabrico das obras de arte, depois de feixes de iões 'baterem' numa zona da amostra, que pode ser um pigmento ou um pedaço de vidro ou metal, gerando uma reação física: eletrões 'saem do sítio' e há uma emissão de raios-X que põem a descoberto os átomos dos compostos químicos presentes nos materiais da superfície que foi 'excitada' pelo 'pacote' de partículas aceleradas.

"A radiação funciona como o Bilhete de Identidade do elemento químico", sintetiza o diretor do Laboratório de Feixes de Iões, Eduardo Alves, acrescentando que, a partir da composição química de um objeto, "traça-se a sua origem, a época" em que foi produzido.

Ao revelar a identidade das matérias-primas, as técnicas de análise com feixes de iões, utilizadas em museus como o do Louvre, em Paris, França, tornam-se uma ferramenta fundamental para o restauro de obras de arte.

Estas técnicas usam um feixe energético elevado de partículas aceleradas, neste caso iões, para estudar a composição e a qualidade de diferentes amostras sem as destruir. O feixe induz na amostra a emissão de radiação.

Num dos seus trabalhos mais recentes, que a Lusa acompanhou, a equipa do Laboratório de Feixes de Iões analisou uma pintura do século XVIII de origem flamenga, proveniente de uma coleção privada, e um vitral também atribuído à mesma época.

Ambos os objetos foram cedidos para estudo pelo Departamento de Conservação e Restauro da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

São precisamente as universidades, mas também museus e a Casa da Moeda quem solicita os serviços do Laboratório de Feixes de Iões do Instituto Superior Técnico.

Sob o 'olhar' de físicos ilustres como Albert Einstein, Marie Curie e Max Planck, que surgem numa reprodução em papel de uma foto de 1927, para a qual posaram em Bruxelas, na Bélgica, enquanto participantes da Conferência Solvay sobre eletrões e fotões, Luís Cerqueira e Victória Berdasco, também eles físicos, olham para o ecrã de um computador que apresenta os espetros de radiação e os mapas de distribuição dos elementos químicos de um vidro decorado com um pato e de uma pintura alegórica.

O computador está ligado à microssonda, que tem uma câmara que capta as imagens da peça que se quer analisar e que é atingida pelo feixe de iões.

Por cima da bancada onde Luís Cerqueira e Victória Berdasco trabalham, e afixada na parede, perto da cópia da fotografia com os físicos colunáveis, está uma tabela periódica dos elementos químicos e a correspondente reação que provocam.

Os dois investigadores verificaram que o azul que dá cor à cabeça do pato do vitral tem cobalto associado a arsénio e bismuto, comuns no século XVIII.

O vidro onde foi pintada a ave tem potássio e cálcio, usados na época na manufatura vidraceira.

Já o vidro que emoldura o motivo decorativo é de uma época mais recente, não identificada, dado que tem sódio na sua composição.

Na pintura alegórica, o branco da mão de uma das figuras é obtido a partir de chumbo, enquanto a cor encarnada do manto é dada pelo vermelhão, uma combinação de mercúrio e enxofre.

Segundo o diretor do Laboratório de Feixes de Iões, Eduardo Alves, tanto o mercúrio como o chumbo, hoje banidos das tintas devido aos seus malefícios para a saúde, eram usados na pintura antiga, nomeadamente no século XVIII.

A ausência de cádmio, tal como de óxido de titânio, este último utilizado na pintura a partir de 1920 para se obter a cor branca, é também um indicador de que o quadro estudado não é recente, de acordo com Eduardo Alves.

As técnicas de feixes de iões, aplicadas ao património e à arte, já permitiram em Portugal desvendar alguns segredos, como o do Tesouro da Vidigueira, lembra a física espanhola Victória Berdasco.

O tesouro é um conjunto de peças de arte sacra indo-portuguesa em prata do século XVI, que foi oferecido pelo padre André Coutinho ao Convento de Nossa Senhora das Relíquias do Carmo da Vidigueira, que pertenceu à família do navegador Vasco da Gama.

Três peças (um oratório-relicário, uma estante de missal e um porta-paz) fazem parte do acervo do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

Victória Berdasco recorda que a análise feita com feixes de iões mostrou que o Tesouro da Vidigueira também tem ouro, materiais de origem, restaurados e cópias.

Outros segredos foram desvendados com a mesma tecnologia, como a cunhagem de moedas de prata ser diferente em Lisboa e no Porto nos séculos XVII e XVIII devido a teores distintos de impurezas no metal.

O físico Eduardo Alves destaca ainda outra revelação, a de uma moeda de ouro que, afinal, não era afonsina, do reinado de D. Afonso III, mas do pós-Descobrimentos. E explica: a deteção de elevada concentração de paládio, elemento químico metálico branco, na moeda permitiu concluir que o ouro era proveniente de Minas Gerais, no Brasil, e não da Península Ibérica.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.