Prémios para 'ponte verde' sobre IC19 e requalificação urbana entregues em Queluz

A proposta vencedora do concurso de ideias para criar uma "ponte verde" sobre o IC19 (Lisboa-Sintra), no âmbito do programa "Eixo Verde e Azul", valoriza "a integração paisagística", segundo os prémios a divulgar terça-feira em Queluz.

Para o júri do concurso de ideias, "a proposta valoriza a integração paisagística, nomeadamente, pela boa integração proporcionada pela barreira acústica em talude com revestimento vegetal, junto ao IC19, e pela ponte verde de ligação entre os jardins do palácio [de Queluz] e a Matinha".

A solução da Biodesign/Tetraplano, coordenada por Jorge Manuel Frazão Cancela, "mostra-se, igualmente, positiva, no domínio da mobilidade, atenta a localização dos percursos e as condições de conforto proporcionadas pela sua topologia", lê-se no relatório do júri presidido pelo arquiteto paisagista Sidónio Pardal, a que a agência Lusa teve acesso.

Noutro concurso, para a requalificação do terreiro do Palácio de Nacional de Queluz, o projeto de Sara Maduro obteve o primeiro prémio, por apresentar "uma visão caracterizada pela sensibilidade e pela leveza da interpretação dos espaços, enquanto lugar de diferentes vivências", considerou o júri liderado pelo arquiteto João Pedro Falcão de Campos.

Os prémios dos primeiros três classificados nos dois concursos para a requalificação do "Eixo Verde e Azul", promovidos pela sociedade Parques de Sintra-Monte da Lua (PSML) e pela Câmara de Sintra, são entregues na terça-feira, em Queluz.

Os concursos para a "ponte verde" pedonal e ciclável sobre o IC19 e a requalificação do terreiro do palácio representam um investimento global estimado de 8,3 milhões de euros (a que acrescem 532.000 euros dos projetos de execução de cada intervenção).

A proposta escolhida da "ponte verde" revela-se também a "mais adequada para a proteção do património cultural, pela maior eficácia na contenção dos efeitos do tráfego do IC19" e condições de apreciação do património "a partir da azinhaga ao longo da ribeira de Carenque e da relação dos jardins do palácio com a Matinha de Queluz e quintas envolventes", destacou o júri.

Neste concurso, de entre oito concorrentes, ficou em segundo lugar a Fora-Fagulha, Oliveira e Rosa, Arquitetura e Urbanismo, com uma ponte circular sobre o IC19, e em terceiro a Orla-Estudos e Projetos de Arquitetura Paisagista, com uma travessia mais leve e exposta aos efeitos do tráfego.

No projeto escolhido para o terreiro entre o Parque Felício Loureiro e a zona de atravessamento da Matinha destacam-se também "um processo gradual de revelação do espaço e a consciência da água como elemento estruturante implícito", notou o júri, que integrou ainda a Ordem dos Arquitetos e a Direção-Geral do Património Cultural.

Além da preocupação com "o enquadramento da Pousada D. Maria I" e "mitigação dos impactos negativos do tráfego", a proposta da arquiteta residente em Massamá "centra-se igualmente na estrutura de irrigação, repondo a localização do Chafariz da Carranca e criando um eixo visual na direção do Bairro Almeida Araújo e do aqueduto da Quinta Nova".

Das 11 propostas apresentadas neste concurso, o projeto de Luís Ferreira Neto ficou em segundo lugar e o terceiro prémio foi atribuído a Adalberto Araújo da Silva Gonçalves Dias.

O "Eixo Verde e Azul" visa, a par da requalificação em torno do palácio de Queluz, a renaturalização da envolvente do rio Jamor e afluentes, a constituição de um parque florestal na Quinta Nova e o controlo de cheias na ribeira de Carenque.

O programa foi objeto de um protocolo, assinado a 14 de julho de 2016, entre as câmaras da Amadora, Oeiras e Sintra e a PSML, com o propósito de criar um corredor ecológico ao longo do rio Jamor, incluindo um percurso pedonal e clicável de 15 quilómetros a unir os três concelhos.

O presidente da autarquia de Sintra, Basílio Horta (PS), salientou que "o 'Eixo Verde e Azul' concretiza a estratégia integrada de requalificação do rio Jamor e suas margens, da nascente à foz, aumentando a oferta de espaços verdes".

Para o presidente da PSML, Manuel Baptista, o programa estratégico "alia a regeneração" do palácio à sua envolvente, "devolvendo ao monumento a capacidade de polo gerador de desenvolvimento da região, estreitando a ligação da população com o espaço".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...