Pescadores alertam para perigo no porto de pesca da Póvoa de Varzim

A Associação Pró Maior Segurança dos Homens do Mar (APMSHM) considerou hoje que a situação da barra do porto de pesca da Póvoa de Varzim "é perigosíssima", instando o Governo a tomar "medidas urgentes".

Em causa está o assoreamento junto a esta infraestrutura portuária, uma das mais importantes do Norte do país, que coloca em causa a segurança na entrada e saída das embarcações, sobretudo piscatórias.

"A situação é perigosíssima. É uma barra instável e que está sempre condicionada. O próprio capitão de porto já manifestou essa preocupação. São precisas medidas urgentes para evitarmos que um dia destes haja uma tragédia", começou por alertar José Festas, presidente da associação.

O dirigente lembrou que as operações de dragagem do equipamento, que iriam desassorear o canal de acesso ao porto de pesca, "deviam ter arrancado este ano, mas acabaram por não acontecer", acrescentando a sua preocupação com a quantidade de inertes que está programado serem dragados.

"Em abril propuserem dragar 195 metros mil cúbicos de areias, mas no mês passado recebemos uma comunicação da direção-geral [dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos] a dizer que seriam apenas 30 mil metros cúbicos. Isso é uma loucura. A nossa é opinião é que deviam tirar 300 mil, porque mesmo 195 mil já seria pouco. Agora 30 mil está fora de questão", afirmou à Lusa José Festas.

O líder da APMSHM garantiu que se a operação de desassoreamento contemplar apenas a retirada de 30 mil metros cúbicos de inertes, ou não for feita antes do inverno, irá "escrever uma carta ao capitão do porto a aconselhar o encerramento da barra".

"Sei que os barcos têm de ir ao mar, pois muitas famílias dependem disso para comer, mas a segurança está em primeiro lugar. Os pescadores, que já agora querem fazer manifestações, não vão gostar que apoie essa medida de fechar a barra, mas não quero ter responsabilidades no caso de haver um acidente ou mortes de pescadores no local", vincou José Festas.

O dirigente garantiu que já comunicou à ministra do Mar estas preocupações, que diz serem "partilhadas pelos presidentes das Câmaras da Póvoa de Varzim e Vila do Conde e também pelo responsável da capitania das duas cidades".

"Estamos em sintonia. Até os próprios técnicos dos portos já reconheceram a necessidade da dragagem e também sabem que se não for feita até outubro não terá efeito. Na barra de Vila do Conde tiraram 87 mil metros cúbicos de areia, durante o inverno, e já está quase igual ao que era antes", analisou o presidente da APMSHM.

Confrontada, recentemente, com este problema, a ministra do Mar garantiu que "é sempre preciso fazer mais pela segurança dos pescadores", garantindo "haver um plano para novas dragagens".

"Temos feito dragagens nos portos da Póvoa de Varzim e Vila do Conde, mas este ano as condições atmosféricas durante o inverno foram bastante más o que tem influência nos arrastamentos e depósitos das areias no fundo do mar, nomeadamente junto às barras", disse Ana Paula Vitorino.

A governante admitiu "que terão de ser efetuadas novas dragagens", estando à espera dotação orçamental para o efeito.

"Já existe um plano de dragagens, para o qual estamos a tentar encontrar financiamentos. Já temos verbas para parte das intervenções, mas conto com o orçamento do próximo ano ter o financiamento para fazer as restantes", assumiu a ministra do Mar.

Em janeiro deste ano, o ministério do Mar tinha anunciado um investimento de 1,4 milhões de euros para as operações de desassoreamento das barras e zonas de aproximação, dos portos da Póvoa de Varzim e Vila do Conde.

As intervenções pretendiam repor as condições de navegabilidade e segurança na área portuária e respetivos acessos das duas cidades, onde se concentra uma das maiores comunidades piscatória do país, que sofrem, frequentemente, com problemas de assoreamento nos seus portos de pesca.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG