Oferta de equipamento vai apoiar café da Gorongosa no centro de Moçambique

Maputo, 27 mai 2019 (Lusa) - Um conjunto de entidades portuguesas e dos Estados Unidos juntaram-se para oferecer um aparelho científico que deverá melhorar a produção de café do Parque Nacional da Gorongosa (PNG), no centro de Moçambique, anunciou a área protegida.

O projeto recebeu "um sistema portátil de análise de trocas gasosas foliares", que na prática é um equipamento que ajudará a medir e melhorar o desempenho das plantas de café "ao longo de todo o ciclo produtivo", anunciou em comunicado.

A plantação envolve mil famílias do parque com um objetivo comum de relação integrada entre o uso sustentável da terra, o desenvolvimento comunitário e a biodiversidade.

Após três anos dedicados ao estabelecimento de um projeto piloto, o Café da Gorongosa alcançou um marco em 2016 ao colher os primeiros grãos de café arábica e agora espera-se que a produção evolua para começar a ser comercializada.

O portal do PNG na Internet tem uma página para inscrição de quem quiser estar entre os primeiros a encomendar o café.

O novo aparelho de apoio à produção (avaliado em 50.000 euros) foi oferecido pelo fabricante, a empresa norte-americana Li-cor, após intermediação das empresas portuguesas de equipamento laboratorial Aralab e Concessus e do Instituto Superior de Agronomia (ISA) da Universidade de Lisboa, explica o parque.

Aquela instituição de ensino superior e o PNG mantém projetos conjuntos apoiados pela Cooperação Portuguesa, entre os quais se inclui o da produção de café - que inclui ainda a Universidade Federal do Espírito Santo, no Brasil, e a Agência de Cooperação Brasileira (ABC).

O Parque Nacional da Gorongosa apresenta-se como "o principal parque nacional de vida selvagem de Moçambique", localizado na extremidade sul do Vale do Rift do leste Africano.

É lar de "alguns dos ecossistemas biologicamente mais ricos e geologicamente mais diversos do continente" e é cogerido pelo Governo de Moçambique e pelo Projeto da Gorongosa.

"O Parque integra a conservação e o desenvolvimento humano com a compreensão de que um ecossistema saudável e comunidades humanas saudáveis são dois lados da mesma moeda", conclui.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG