União Europeia lança projeto contra casamento forçado na Guiné-Bissau

A União Europeia e um grupo de organizações não-governamentais apresentaram hoje em Bissau, Guiné-Bissau, um projeto-piloto para garantir o cumprimento dos direitos das meninas e mulheres através de uma abordagem transversal.

Financiado pela União Europeia, o projeto vai ser implementado pela Mani Tese em parceria com outras organizações não-governamentais, incluindo a Rede Ajuda, a Fundação Fé e Cooperação, ENGIM e GEIOJ, e foi lançado por ocasião do Dia da Mulher, que se assinala na quinta-feira.

"No que diz respeito às instituições, o projeto vai trabalhar com a Polícia Judiciária, os Centros de Acesso à Justiça e o Instituto da Mulher e da Criança", explicou a representante da União Europeia, Tina Bastos.

Segundo a responsável, o projeto é "muito ambicioso" e "vai colocar uma semente que deve germinar, criar raízes e expandir-se para que as raparigas e as mulheres guineenses possam viver em dias livres de toda e qualquer violência".

O projeto-piloto vai atuar na promoção da autonomia socioeconómica das mulheres e ao mesmo tempo melhorar o acesso à denúncia, proteção e reinserção das vítimas de violência na região de Bissau, Tombali, Bafatá, Gabu e Quinara.

"A violência contra as mulheres está enraizada na sociedade guineense", salientou Tina Bastos, dando como exemplo os Indicadores Múltiplos da ONU que referem que 41,8% das mulheres com idades compreendidas entre os 15 e os 49 anos consideram aceitável a violência doméstica, enquanto 28,7% dos homens da mesma faixa etária consideram aceitável.

Os Indicadores Múltiplos da ONU, de 2014, indicam que 37% das meninas com idade inferior a 18 anos e 7% com idade inferior a 15 anos foram obrigadas a casar na infância.

Os mesmos dados indicam que seis em cada 10 daquelas meninas tinham um marido que era, em muitos casos, 20 anos mais velho.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.