União Europeia lança projeto contra casamento forçado na Guiné-Bissau

A União Europeia e um grupo de organizações não-governamentais apresentaram hoje em Bissau, Guiné-Bissau, um projeto-piloto para garantir o cumprimento dos direitos das meninas e mulheres através de uma abordagem transversal.

Financiado pela União Europeia, o projeto vai ser implementado pela Mani Tese em parceria com outras organizações não-governamentais, incluindo a Rede Ajuda, a Fundação Fé e Cooperação, ENGIM e GEIOJ, e foi lançado por ocasião do Dia da Mulher, que se assinala na quinta-feira.

"No que diz respeito às instituições, o projeto vai trabalhar com a Polícia Judiciária, os Centros de Acesso à Justiça e o Instituto da Mulher e da Criança", explicou a representante da União Europeia, Tina Bastos.

Segundo a responsável, o projeto é "muito ambicioso" e "vai colocar uma semente que deve germinar, criar raízes e expandir-se para que as raparigas e as mulheres guineenses possam viver em dias livres de toda e qualquer violência".

O projeto-piloto vai atuar na promoção da autonomia socioeconómica das mulheres e ao mesmo tempo melhorar o acesso à denúncia, proteção e reinserção das vítimas de violência na região de Bissau, Tombali, Bafatá, Gabu e Quinara.

"A violência contra as mulheres está enraizada na sociedade guineense", salientou Tina Bastos, dando como exemplo os Indicadores Múltiplos da ONU que referem que 41,8% das mulheres com idades compreendidas entre os 15 e os 49 anos consideram aceitável a violência doméstica, enquanto 28,7% dos homens da mesma faixa etária consideram aceitável.

Os Indicadores Múltiplos da ONU, de 2014, indicam que 37% das meninas com idade inferior a 18 anos e 7% com idade inferior a 15 anos foram obrigadas a casar na infância.

Os mesmos dados indicam que seis em cada 10 daquelas meninas tinham um marido que era, em muitos casos, 20 anos mais velho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.