Tancos: Ministro diz que não sabia da "alegada discrepância" e aguarda aclaração do MP

O ministro da Defesa afirmou hoje que não teve conhecimento da "alegada discrepância" quanto à recuperação do material militar furtado em Tancos e que aguarda "calmamente" uma "aclaração" por parte do Ministério Público.

"Obviamente não tive conhecimento dessa alegada discrepância", referiu José Azeredo Lopes, em resposta ao deputado do PSD Pedro Roque, numa audição na comissão parlamentar de Defesa Nacional.

O ministro da Defesa sustentou que "o bom senso político obriga" a que se espere "calmamente que essa aclaração venha a verificar-se, ou seja, que se venha a saber e, se sim, porque é que se se verifica uma alegada discrepância quanto àquilo que foi recuperado".

O deputado do PSD Pedro Roque referiu-se a notícias do jornal Expresso, no sábado, dizendo que "continua a monte e à solta" material furtado em Tancos, em junho do ano passado, que "aparentemente todos julgavam" que tinha sido recuperado, já que em outubro foi divulgado que o material foi encontrado "à exceção de munições de 9 mm".

"Não é aceitável que, durante este tempo, o Governo continue aos papéis sem perceber bem o que se passou. A ação do ministro continua a ser vista com ligeireza, de modo algo descuidado e até com sobranceria", acusou Pedro Roque.

Pedro Roque questionou ainda se, a confirmar-se que há mais material militar "à solta" do que aquele que foi em outubro divulgado -- as munições de 9mm -- o ministro da Defesa irá "extrair responsabilidades políticas" ou se pedirá "responsabilidades operacionais".

Azeredo Lopes recusou que tenha alguma vez divulgado que material foi encontrado, frisando que "assentou" aquilo que lhe foi transmitido pela Polícia Judiciária Militar (PJM), em outubro, e que salientou como positivo a recuperação desse material.

"Declarações que evidentemente não manterei caso o Ministério Público vier a confirmar" aquilo que o Expresso noticiou no sábado, acrescentou Azeredo Lopes, sublinhando que a investigação decorre sob a alçada do Ministério Público.

Quanto a eventuais conflitos entre a PJM e a Polícia Judiciária na investigação em curso, Azeredo Lopes não quis comentar para "não incendiar" a questão e porque "quem tem de aclarar a existência desses conflitos e quem conduz a investigação é o Ministério Público".

"O ministro recebe as informações que quem conduz investigação entende" fornecer, disse.

Ainda sobre "alegadas discrepâncias" quanto à quantidade de material recuperado, Azeredo Lopes reiterou que não foi informado: "Mas, não fui porque quem conduz a investigação entendeu provavelmente que está em segredo de justiça".

No final da audição, em declarações aos jornalistas, PSD e CDS-PP reafirmaram que está em aberto a possibilidade de ser requerida uma comissão de inquérito sobre o furto de Tancos.

Pedro Roque frisou ainda que os acórdãos do Ministério Público citados no Expresso dando conta de mais material em falta além das munições de pistola, como por exemplo granadas, "são públicos" e que não estão em segredo de justiça.

Para João Rebelo, do CDS-PP, "o ministro da Defesa parece que não quer ser informado, tem raiva de quem está informado e descarta sempre as suas responsabilidades, hoje na Polícia Judiciária Militar".

"Ainda ninguém conseguiu perceber o que foi furtado passado um ano, isto é gravíssimo, é pantanoso", disse, afirmando que "mantém em aberto" todas as possibilidades, incluindo um pedido de constituição de uma comissão de inquérito parlamentar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.