Síria: Peritos começam a investigar ataque químico no sábado - OPAQ

Peritos da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) estão a caminho da Síria e começam a investigar o alegado ataque químico em Douma no sábado, anunciou a organização.

A OPAQ "confirma que a equipa de investigação está em viagem para a Síria e começará o seu trabalho no sábado 14 de abril de 2018", lê-se num comunicado divulgado em Haia, sede da organização.

Pouco antes, o embaixador sírio na ONU, Bashar Jaafari, tinha dito a jornalistas que um primeiro grupo de peritos chega hoje ao país e outro na sexta-feira.

O embaixador sírio afirmou ainda que as autoridades estão prontas para garantir a segurança dos peritos e acompanhá-los "a qualquer lugar" no âmbito da investigação.

Mais de 40 pessoas morreram no sábado num ataque contra a cidade rebelde de Douma, em Ghouta Oriental, que segundo organizações não-governamentais no terreno foi realizado com armas químicas.

A oposição síria e vários países acusam o regime de Bashar al-Assad da autoria do ataque, mas Damasco nega e o seu principal aliado, a Rússia, afirmou que peritos russos que se deslocaram ao local não encontraram "nenhum vestígio" de substâncias químicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.