Presença de proteína na salmonela torna bactéria virulenta - estudo

Cientistas portugueses descobriram que a bactéria salmonela, que causa infeções gástricas, se torna virulenta devido à presença de um gene nas células que expressa uma proteína que pode ser um alvo para testar novos medicamentos, foi hoje divulgado.

A investigação, cujos resultados foram publicados na revista da American Society for Microbiology (Sociedade Americana de Microbiologia), foi conduzida pelo Instituto de Tecnologia Química e Biológica (ITQB) António Xavier e pelo Instituto Superior Técnico.

No estudo, a equipa de investigadores infetou larvas de um inseto com salmonela, com ou sem o gene que expressa a proteína BoIA, e verificou, nas mesmas condições ambientais, o efeito gerado na mortandade do modelo animal.

As larvas morreram ao fim de dois dias quando infetadas com bactérias de salmonela que mantinham esse gene. Em contrapartida, muitos animais não morreram quando infetados com bactérias sem o mesmo gene. Quando o gene, e só este gene, voltou a ser colocado nas bactérias as larvas morreram todas.

"Isto significa que este gene tem de estar lá [nas células da bactéria] para elas [bactérias] serem tão virulentas", afirmou à Lusa a bióloga Cecília Arraiano, coordenadora da equipa do ITQB.

A investigadora explicou que, sem o gene que expressa a proteína BoIA, a salmonela "é mais facilmente atacável pelo sistema imunitário".

Assim sendo, de acordo com a bióloga, a proteína pode ser um bom alvo para testar novos medicamentos contra as infeções causadas por salmonela (através da ingestão de comida ou água contaminadas).

A equipa científica está a estudar a estrutura da proteína para perceber de que forma pode regular geneticamente a sua expressão nas bactérias e desativá-la.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."