Praia artificial de Mangualde adota medidas inclusivas

A praia artificial de Mangualde adotou este ano várias medidas inclusivas, como uma cadeira anfíbia e um jardim sensorial, e novas atrações para crianças, no âmbito de uma mudança de estratégia.

"No ano passado percebi as dificuldades, este ano tentei combatê-las. Para atrair cá as pessoas não basta a água e a areia", disse à agência Lusa o responsável pela praia, Paulo Arede, acrescentando que foram investidos cerca de 200 mil euros nestas alterações.

Inaugurada em 2011, a praia artificial de água salgada foi promovida pela empresa Live it Well Events, que no ano passado cedeu o espaço a um grupo do setor da restauração de Mangualde.

Paulo Arede explicou que, no ano passado, percebeu que a praia não conseguiria ser sustentável sem uma estratégia que atraísse grupos fora da "época alta", ou seja, a segunda quinzena de julho e o mês de agosto.

"Vi claramente que isto precisa de ser trabalhado durante três meses e não num mês e meio, que é o forte dos emigrantes", frisou.

Este ano, a praia abriu a 01 de junho, com o slogan "praia inclusiva", e está apostada em atrair grupos de instituições, sejam idosos, crianças, desportistas ou deficientes.

"Todas as pessoas com algum tipo de dificuldade conseguem ir à praia. Há passadiços até à água, criámos um varandim onde mesmo as pessoas com canadianas podem molhar os pés e temos uma cadeira anfíbia para os deficientes irem à água", contou Paulo Arede.

Foi também criado "um jardim sensorial, que desenvolve os cinco sentidos das pessoas", e um parque para crianças, com várias atividades, onde os pais podem deixar os filhos ou organizar festas de aniversário, acrescentou.

"Queremos que as pessoas venham aqui e consigam passar o dia ocupados, sem terem apenas a água e a areia", disse o empresário, exemplificando que os idosos dos lares ou as crianças de uma creche podem passar as horas de maior calor a seguir ao almoço fora do areal.

Paulo Arede referiu que, ao contrário de antigamente, as pessoas podem levar o seu lanche de casa, não sendo obrigatório comprá-lo na zona de restauração de praia.

No ano passado, cerca de 25 mil pessoas frequentaram a área da praia (a que obriga ao pagamento de entrada), às quais se juntam aquelas que apenas foram à zona da restauração e da discoteca.

Nos últimos anos, antes de o grupo do setor da restauração ter ficado responsável pela praia, a Live it Well Events tinha direcionado a sua aposta para o mercado espanhol.

No ano da inauguração, em 2011, a praia artificial de Mangualde - que representou um investimento de mais de 2,5 milhões de euros - recebeu 330 mil visitantes, um número que baixou para cerca de metade em 2012.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.