Peixes do rio Vouga vão ter selo de origem no próximo ano

Os peixes capturados no rio Vouga vão passar a ter um selo de origem a partir do próximo ano, no âmbito do projeto "Life Águeda", que foi hoje apresentado e cujo investimento ascende a 3,3 milhões de euros.

O projeto, coordenado pela Universidade de Évora, tem como objetivo principal a reabilitação de habitat para os peixes migradores na bacia do rio Vouga, a par com a gestão sustentável e valorização económica da pesca.

O selo de origem será colocado pela Docapesca, que está a desenvolver um protótipo de um veículo com as funções de "Lota Móvel" para chegar às comunidades piscatórias das águas interiores, onde não há obrigatoriedade de o peixe passar pela lota.

"Fazer com que o produto de pesca passe pelo circuito oficial de venda é uma mais-valia para todos. Os consumidores vão perceber que o que estão a consumir foi capturado com regras que não põem em causa a sustentabilidade e a conservação das espécies e é uma garantia de salubridade", disse à Lusa o investigador Pedro Raposo Almeida, coordenador do projeto.

O projeto "Life Águeda" contempla ainda a alteração da regulação da pesca, tendo em vista a salvaguarda a conservação das espécies migradoras, como a lampreia ou o sável, sem prejudicar o rendimento dos pescadores.

"Achamos que podemos fazer conservação das espécies de peixes migradores não impedindo que todos os outros intervenientes no ecossistema deixem de usufruir dos bens e serviços que lhes são proporcionados, quer seja para a agricultura, para a indústria, para o consumo doméstico, ou para a pesca", explicou o investigador.

Pedro Raposo Almeida disse que estas ideias "têm vindo a ser acarinhadas por parte dos pescadores profissionais", adiantando que "há outras comunidades piscatórias noutros rios que também querem este modelo de gestão", nomeadamente no Douro.

"Os pescadores começam a perceber que não pescando tanto, passado poucos anos, têm mais peixe no rio e além disso têm um rendimento superior", sublinhou.

O projeto "Life Águeda" inclui ainda a construção de dezenas de passagens para peixes nos rios Águeda e Alfusqueiro, com o objetivo de reduzir o efeito barreira causado pela existência de estruturas como os açudes, e a renaturalização das margens, com a eliminação das espécies exóticas, como as acácias, e a plantação de espécies autóctones.

"Para já estamos a desenvolver os projetos de intervenção. Só quando chegarmos a acordo com todos os proprietários que têm intervenção na utilização da água e das margens é que avançamos com a obtenção do licenciamento", disse Pedro Raposo Almeida, estimando que as intervenções no terreno comecem na primavera do próximo ano.

Está ainda prevista a instalação em Águeda de um centro interpretativo com aquários a explicar a importância dos rios e as suas espécies mais comuns.

O projeto que teve início em agosto do ano passado e vai durar cinco anos, conta com um orçamento de cerca 3,3 milhões de euros e é financiado a 60% pelo Programa para o Ambiente e a Ação Climática (LIFE).

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.