ONU quer do Governo de São Tomé maior incentivo à participação dos jovens

São Tomé, 12 ago. (Lusa) - A representante em São Tomé e Príncipe das Nações Unidas, Zahira Virane, apelou hoje ao Governo do país para que promova mais políticas que incentivem a participação dos jovens na sociedade.

"São precisas mais políticas que incentivem a participação dos jovens na sociedade e que permitem revelar o potencial da juventude são-tomense", disse a representante, residente da Organização das Nações Unidas (ONU).

A diplomata falava no primeiro fórum da juventude são-tomense realizado por ocasião do dia 12 de agosto, Dia Mundial da Juventude, e prometeu ajudar o Governo do arquipélago a "traçar políticas que garantam emprego, a saúde dos jovens e educação de qualidade".

Mais de 80 delegados representando jovens de todo o país participaram no evento que discutiu os cinco objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) das Nações Unidas, priorizados pelo Governo são-tomense.

Erradicação da pobreza, emprego digno, crescimento económico, industria, inovação e infraestruturas, paz, justiça e instituições fortes foram os temas que provocaram um debate aceso entre os jovens que consideram que "a vida no país está cada vez mais difícil".

O fórum foi promovido pelo Conselho Nacional da Juventude (CNJ), com a parceria da ONU, que resolveu enquadrar o evento na celebração do 12 de agosto, procurando forjar um espaço de reflexão sobre esses ODS.

A juventude reclama do Governo mais atenção, sobretudo nas áreas de educação, cultura e habitação.

"Enfatizamos a necessidade de se investir na juventude porque nós entendemos que a luz das inúmeras preocupações, dos inúmeros desafios que nós, a juventude são-tomense, temos desde a educação, cultura, habitação, formação e habitação. Nós precisamos de uma atenção especial dos nossos dirigentes", disse Wildeley Barrocas, presidente do CNJ.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?