Investigadores de Coimbra descobrem forma de tornar mais ecológica a produção de polímeros sintéticos

Coimbra, 26 abr 2019 (Lusa) - Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) descobriram que água não tratada pode ser usada como solvente na produção de polímeros sintéticos, com estrutura controlada, através de polimerização radicalar por transferência de átomo (ATRP), foi hoje anunciado.

Em comunicado, a UC refere que "não é necessário usar água ultrapura num dos processos mais comuns de polimerização para a preparação de polímeros com propriedades controladas, presentes em produtos quotidianos como componentes eletrónicos, cosméticos ou fármacos".

"Esta descoberta revoluciona a produção destas macromoléculas, tornando-a bem mais barata e ecológica", refere a nota sobre a investigação, que foi liderada por Jorge Coelho e Patrícia Mendonça, da Faculdade de Ciências e Tecnologia.

O resultado da investigação originou um artigo científico "Pushing the limits of robust and eco-friendly ATRP processes: untreated water as the solvent", publicado na revista "Polymer Chemistry" com destaque de capa. Foi ainda objeto de destaque na 'Chemistry World', uma das publicações de referência mundial na área da química.

"Demonstrámos pela primeira vez a possibilidade de se usar água extraída diretamente do mar, de rios ou da chuva, para conseguir sintetizar polímeros de estrutura controlada", explica Jorge Coelho.

Até agora "toda a gente usava água ultrapura (que passa por várias etapas de tratamento), porque existia o receio de que as impurezas da água interferissem no sistema de polimerização", salienta o docente e investigador do Departamento de Engenharia Química da UC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?